“Desprezível” e “traidor”. Vladimir Putin falou sobre o ex-espião russo Sergei Skripal — que em março do ano passado foi atacado, juntamente com a sua filha, com o agente nervoso novichok em solo britânico —e não poupou nas palavras.

Durante uma conferência de imprensa sobre energia, esta quarta-feira em Moscovo, o presidente russo acusou a imprensa ocidental de retratar o ex-espião como uma vítima inocente: “Vejo que alguns dos vossos colegas estão promover a teoria de que o Skripal era quase como um ativista dos direitos humanos”, disse Putin em resposta a um dos jornalistas presentes. “Ele era simplesmente um espião, um traidor da pátria. Ele é simplesmente um estupor. É só”, acrescentou, citado pelo The Guardian.

Depois de o ex-espiãoe da sua filha Yulia terem sido envenenados na cidade inglesa de Salisbury, uma mulher britânica morreu por ter contactado com o mesmo agente nervoso. A Rússia sempre negou estar relacionada com o caso. “Querem-me dizer que também envenenamos uma pessoa sem abrigo? Que disparate é este?”, voltou a questionar Putin.

Na semana passada, recorde-se, o website Bellingcat publicou uma investigação sobre a verdadeira identidade dos dois suspeitos do ataque. Segundo essa investigação, Ruslan Boshirov será, na verdade, o coronel Anatoliy Chepiga, um agente dos serviços militares da Rússia que foi condecorado com o prémio de “Herói da Federação Russa”, em 2014.

O suspeito, de acordo com o mesmo meio, será conhecido pelo presidente da Rússia, Vladimir Putin, que em agosto disse que os dois homens suspeitos eram meros turistas, “civis sobre quem não há nada de especial ou criminoso”.