O construtor americano de veículos eléctricos anunciou as vendas e a produção relativa ao 3º trimestre do ano, durante o qual alcançou um novo recorde. De Julho a Setembro, a Tesla produziu 80.142 veículos, mais 50% do que no segundo trimestre, e entregou a cliente final 83.500 novos modelos, o que também se assume como o melhor valor de sempre. Entre estes, 55.840 foram Model 3, 14.470 Model S e 13.190 Model X.

O Model 3 é obviamente o carro mais fabricado pela empresa, atingindo 53.239 dos 80.142 veículos produzidos, a que se somam 26.903 unidades referentes aos Model S e X. Se em relação ao veículos maiores e mais caros, os S e X, tudo corre de feição, com a marca a caminhar para atingir o objectivo, as 100.000 unidades em 2018, já o mesmo não acontece com o Model 3.

É certo que a capacidade de produção continua a aumentar, tendo duplicado o conseguido no trimestre anterior, mas a média no trimestre foi de 4.437 unidades por semana do Model 3, abaixo ainda das 5.000 prometidas a partir de Julho. Isto apesar de a marca anunciar que, nas últimas semanas de Setembro, atingiu uma média de 5.300 Model 3 por semana.

A Tesla revela que a entrega de tantos veículos provocou algumas dores de cabeça, motivadas em parte pelo sistema de distribuição criado pela marca, que substituiu uma rede nacional de concessionários por uma cadeia mais reduzida de lojas próprias. Isto levou a que Setembro terminasse com ainda 8.048 Model 3 e 3.776 Model S e X em cima de camiões a caminho dos clientes, o que impediu que fosse considerado um volume de vendas superior.

Resta aguardar os dados financeiros do trimestre, aquele que o construtor prometeu ser o primeiro de muitos em que a Tesla passaria a anunciar lucros operacionais, uma novidade numa marca que tem prejuízos desde que nasceu, à excepção de dois trimestres em que as vendas de licenças de carbono a outros fabricantes americanos de modelos a gasolina e diesel compensaram as perdas.