Rádio Observador

Moçambique

Primeiro-ministro moçambicano anuncia arranque da desmilitarização da Renamo no sábado

O processo de desmilitarização da Renamo, anunciado esta quinta-feira pelo presidente de Moçambique, vai contar com a desmobilização e reintegração do braço armado da principal partido da oposição.

ANTÓNIO SILVA/LUSA

O Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, anunciou esta quinta-feira, em Maputo, que o processo de desmilitarização da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo) arranca no sábado, com a desmobilização e reintegração do braço armado da principal partido da oposição.

“Tenho o prazer de anunciar que, como está previsto no memorando de entendimento que o Governo assinou com a Renamo, iremos lançar no próximo sábado, dia 6 de Outubro, o início efetivo do processo de desmilitarização, desmobilização e reintegração”, afirmou Filipe Nyusi, numa declaração à nação sobre o Dia da Paz e da Reconciliação, que se assinala esta quinta-feira em Moçambique.

O chefe de Estado moçambicano, que falava a partir da Praça dos Heróis, em Maputo, adiantou que até sábado estarão em Moçambique o chefe da missão que vai dirigir o processo de desarmamento da Renamo, o general argentino Javier Perez Aquino, e os peritos militares dos sete países que vão monitorizar a operação.

“Até sábado já se encontrarão no território nacional todos os peritos solicitados para testemunhar o processo provenientes da Tanzânia, do Zimbabe, Estados Unidos da América, Suíça, Alemanha, Noruega, Irlanda e Índia e a eles se juntará o general Javier Aquino, da Argentina, que irá liderar o grupo”, destacou Filipe Nyusi.

O Presidente moçambicano apelou aos moçambicanos e à comunidade internacional para se empenharem na instauração de uma Paz duradoura, para que o país se concentre na luta contra a pobreza e criação da prosperidade, pedindo o sucesso da operação. Filipe Nyusi leu uma mensagem do Papa Francisco em que exorta os moçambicanos a superarem as diferenças e a unirem-se contra os desafios à paz.

O Dia da Paz e da Reconciliação evoca a assinatura do Acordo Geral de Paz entre o Governo moçambicano e a Renamo a 4 de outubro de 1992 e que encerrou 16 anos de guerra civil. A assinatura do acordo não impediu, contudo, que o país mergulhasse em ciclos de violência militar, principalmente em períodos pós-eleições, devido à contestação da Renamo aos resultados eleitorais.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)