O Senado norte-americano está a analisar o relatório do FBI sobre Brett Kavanaugh, o juiz indicado por Donald Trump para liderar o Supremo Tribunal de Justiça. É o passo que falta para que seja dada luz verde — ou não — à sua nomeação. À medida que o documento vai passando pelos senadores, vão surgindo as primeiras reações.

A Casa Branca e o Comité Judicial do Senado saíram em defesa de Kavanaugh, afirmando que as conclusões da investigação não servem para sustentar as acusações de abuso sexual que recaem sobre o magistrado. “Não há ali nada que nós já não soubéssemos“, disse o senador republicano Charles Grassley, do Comité Judicial. “Agora é a altura de votar”, acrescentou.

Para os democratas, o documento apresentado pelo FBI está incompleto. A investigação foi feita à pressa, pouco abrangente e foram ouvidas poucas testemunhas. Estas são as principais críticas feitas pelos senadores democratas, que denunciam ainda o facto de terem sido deixadas de fora testemunhas que podiam ser essenciais para entender o caso na sua plenitude.

Críticas que são corroboradas pelos advogados de Christine Blasey Ford, a primeira das três mulheres que vieram a público acusar Kavanaugh de abuso sexual. “Uma investigação que não incluiu uma entrevista com a Dra. Christine Blasey Ford — nem com as testemunhas que apoiaram o seu testemunho — não pode ser considerada uma investigação”, fizeram saber através de um comunicado. “Estamos profundamente desapontados por ver que o FBI não está interessado em procurar a verdade“.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Recorde-se que nos últimos dias foram tornadas públicas declarações de colegas universitários de Kavanaugh que o acusam de ter mentido sob juramento. Segundo os seus ex-companheiros de residência, o juiz mentiu ao Senado quando negou ter passado por um período em que bebia de forma descontrolada, chegando mesmo a tornar-se agressivo pelo efeito do álcool.

Antigo colega de quarto acusa Kavanaugh de mentir sobre álcool e livro de curso

No entanto, Raj Shah, porta-voz da Casa Branca, explica que das dez testemunhas que foram contactadas para serem ouvidas no âmbito desta investigação suplementar, nove aceitaram fazê-lo, recusando assim as acusações de que terão sido entrevistadas poucas pessoas durante o processo.

O presidente e a Casa Branca apoiam firmemente Brett Kavanaugh“, disse esta quinta-feira Shah à CNN, reforçando a confiança no juiz escolhido por Trump.

O nome tem sempre de passar pelo crivo do Senado, que já está a analisar o relatório do FBI. O último passo antes de se iniciarem as votações. As primeiras indicações apontam para uma decisão favorável à nomeação de Kavanaugh, mas incerteza vai manter-se até ao fim. A decisão final deverá ser conhecida entre quinta-feira e sexta-feira.

Como Brett Kavanaugh se tornou uma bomba-relógio para os republicanos