Mais de 40 observadores internacionais, de organizações como a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), União Europeia e União Africana, devem acompanhar as eleições deste domingo em São Tomé e Príncipe, indicou a Comissão Eleitoral Nacional (CEN).

A CPLP é, até ao momento, a organização mais importante que se encontra no arquipélago para observar as eleições legislativas, autárquicas e regional da ilha do Príncipe previstas para este domingo.

A missão da CPLP é composta por 11 membros representantes de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial e Timor-Leste, sendo chefiada pelo antigo ministro dos Negócios Estrangeiros timorense Zacarias da Costa.

Espera-se ainda a deslocação a São Tomé de 18 observadores da União Africana.

“Eles deveriam chegar ontem, sexta-feira, mas isso não aconteceu e estamos à espera que eles cheguem a qualquer momento”, explicou o porta-voz da CEN, Ambrósio Quaresma.

Neste momento, estão no terreno um total de 26 observadores, incluindo cinco dos Estados Unidos da América, dois da UE e sete da Nigéria.

A Comissão Eleitoral Nacional são-tomense reuniu-se este sábado, num “encontro de caráter informativo” com os observadores internacionais que vão fiscalizar as eleições deste domingo em São Tomé e Príncipe, indicou o porta-voz da CEN, Ambrósio Quaresma.

No encontro, que decorreu na sala de conferências do Palácio dos Congressos, na capital são-tomense, os 26 observadores já presente no país foram informados sobre todo o processo em curso e os moldes em que vai decorrer o processo de votação.

O chefe da missão de observação da CPLP disse esperar “um processo justo, livre e transparente”.

“Esperamos, tal como o povo de São Tomé, que as eleições decorram num clima de tranquilidade e que sejam realmente transparentes, justas, democráticas”, disse Zacarias da Costa, referindo que “o povo de são Tomé e Príncipe já atingiu a maturidade de muitos anos em que está a participar em eleições regulares”.

Mais de 97 mil eleitores são chamados às urnas este domingo para elegerem 55 deputados para Assembleia Nacional (parlamento), seis presidentes das câmaras distritais e uma nova assembleia regional para a ilha do Príncipe.