Cultura

Ainda há esperança para The Walking Dead?

“The Walking Dead” foi refrescante quando surgiu mas acomodou-se depressa. Passou de um mundo apocalíptico para um cruzeiro ao ritmo de um walker. A nona temporada chega agora. Será que traz mudanças?

Rick, Rick, Rick... o que é que vai ser de ti?

Autor
  • André Almeida Santos
Mais sobre

[Este texto inclui potenciais spoilers. Se não quer saber nada sobre o primeiro episódio da nova temporada, não leia mais]

Quando tudo começou, em 2010, era difícil de adivinhar o sucesso apocalíptico de “The Walking Dead”. Uns meses depois, mas já em 2011, chegou “Guerra dos Tronos”. De repente, duas séries baseadas em géneros que, em princípio, não eram os preferidos do grande público, tornaram-se naquelas de que toda a gente falava. E assim permanecem. Sucessos inesperados? Talvez não. Entre as razões estão os elementos narrativos que surgiram como novidade para o grande público — e este agarrou-os de bom grado. “Perdidos” já tinha feito muito disso, mas não foi tão bom a publicitar como o fazia. Com “The Walking Dead” e “Game Of Thrones” pareceu novidade a morte inesperada de alguns protagonistas, a certeza de que nenhuma personagem estaria a salvo e, claro, o ritmo muito telenovela da coisa (mais no caso “The Walking Dead”) com a máscara de série.

2018 e aqui estamos. “The Walking Dead” talvez já não seja tão popular como foi noutras temporadas, os números médios de audiência estão algo abaixo de quando a série esteve no seu pico (entre a quarta e sexta temporada), mas continua a ser um fenómeno. E quer continuar a ser, talvez crescer, com um novo ciclo que arranca nesta nona temporada, cujo primeiro episódio passa esta segunda-feira, dia 8, no horário nobre da FOX (22h15), depois da estreia nesta madrugada nos Estados Unidos (a FOX estreou o episódio em simultâneo com a sua transmissão norte-americana).

Pelo primeiro episódio ainda não parece um novo ciclo. Parece mais uma passagem do testemunho. Já se sabe de antemão que esta será a última temporada de Rick Grimes (Andrew Lincoln) e que, à semelhança dos livros, esta temporada vai tentar instituir um maior espírito de comunidade, de construção de uma civilização com regras, leis, etc. Tudo para instaurar um novo começo. A sobrevivência fará – sempre – parte do jogo, mas é possível sobreviver com um futuro em frente que seja mais do que fugir de walkers. Paz em vez de guerra.

[O primeiro trailer da nova temporada. Mais uma vez avisamos: se não quer saber nada sobre a nova temporada, não veja:]

Há um grande salto temporal neste primeiro episódio da nona temporada. Passaram-se quase dois anos depois do confronto com Negan (Jeffrey Dean Morgan) e Rick & companhia estão a viver com uma série de outros sobreviventes, numa tentativa de almejar a essa comunidade que foi tantas vezes tentada ao longo da série – até por algumas personagens que se apresentavam como vilões na narrativa – e que até agora nunca foi conseguida.

Ou seja, o sentimento de déjà vu é inevitável com “The Walking Dead”. Ao longo das oito temporadas anteriores, a série tem existido num limbo, entre a excitação do que está para vir e as promessas não cumpridas. Apesar de seguir a lógica da banda-desenhada de Robert Kirkman, o tom televisivo é menos expansivo e limitativo na sua ambição: a promessa de que ninguém está a salvo está sempre presa por outros compromissos. Por isso, toda esta ambição montada para a nova temporada não é mais do que material revisto no passado, uma passagem de testemunho que seria melhor – e mais refrescante – se fosse feita de forma brusca e não ao longo de vários episódios. Neste primeiro episódio da nona temporada ainda não há cheiro a novidade. Continuando assim, Rick irá sair de cena num ponto de saturação, não num momento que deixará saudades.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)