Tesla

Autopilot da Tesla enfrenta trânsito de Paris

A Tesla escolheu o Salão de Paris para se estrear na Europa e achou por bem mostrar como o seu Audopilot lidava com a confusão do trânsito parisiense. Entre carros, peões e scooters, veja o resultado.

Autor
  • Observador

Como em qualquer outra grande capital, o trânsito parisiense é caótico e um verdadeiro desafio para quem cria sistemas de condução autónoma, ou até semiautónoma, como é o caso do Autopilot da Tesla. Daí que seja curioso ver como se adapta o sistema de ajuda à condução do fabricante americano de veículos eléctricos a uma cidade em que, para além dos veículos, peões e ciclistas, há um verdadeiro batalhar de scooters a circular a velocidades pouco recomendáveis e a meter-se por buracos, desafiando as leis da física.

Antes de mais, é bom ter presente que o Autopilot, na actual versão que a marca monta nos Model S, X e 3, é um sistema de ajuda à condução. Não se trata de um sistema de condução autónoma, como muitos pretendem que seja – e que por vezes o forçam a desempenhar esse papel, nem sempre com bons resultados –, mas sim uma solução para dar mais descanso ao condutor, incrementando-lhe a segurança.

Apesar de ao condutor ser exigido estar sempre em condições de assumir o volante e ser responsável por tudo o que acontece, o Autopilot vê e analisa tudo o que acontece à sua volta, travando para evitar acidentes e desviando-se de situações potencialmente perigosas. Além disso, consegue regular a sua velocidade pelos carros que seguem à sua frente, manter-se na sua faixa de rodagem , ultrapassar quando possível e se o condutor abre pisca, sair e entrar nas auto-estradas e estacionar sozinho, segundo o fabricante.

Apoiando-se exclusivamente em câmaras, radares e sensores, o Autopilot é de longe o melhor, entre todos os sistemas deste tipo disponíveis no mercado. Não só se mantém mais facilmente ao centro da sua faixa, como o faz de forma mais progressiva, sendo ainda capaz de descrever curvas mais apertadas do que outros sistemas, ao ser capaz de aplicar mais torque sobre a direcção, evitando o que muitos sistemas da concorrência fazem e que passa por desligar as ajudas à condução à mínima dificuldade, colocando por vezes o condutor numa situação difícil.

Se de início o Autopilot tinha dificuldade em identificar bicicletas, ou diferenciar peões de motos ou carros, há muito que o sistema funciona de forma mais madura, identificando até obstáculos, cones de trânsito, não necessitando de separadores de faixas para encontrar o seu rumo através da cidade. Ainda assim, são visíveis algumas limitações do sistema, como aos 2.23 minutos do vídeo, em que interpreta um contentor de obras como um camião parado, ou aos 5.52, em que o Autopilot confunde um cartaz publicitário colado num posto em frente a uma passadeira com um peão a tentar ultrapassar a rua, ou até ao minuto 14.00 em que não se apercebe que um Mégane que virou à esquerda, afinal decidiu regressar à sua faixa e seguir em frente. Interessante é contudo a quantidade de informação que o sistema tem de processar, sistematicamente e a cada segundo que passa. Isto em cidade, o que coloca muitos e mais problemas às ajudas à condução do que a simples circulação em auto-estrada.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)