Moçambique

Fisco moçambicano inicia segunda fase de marcação de combustível para combater contrabando

A Autoridade Tributária de Moçambique, com a segunda fase de campanha de marcação de combustível em trânsito do país, pretende acabar com o contrabando, anunciou esta segunda-feira a instituição.

Antonio Cotrim/LUSA

A Autoridade Tributária de Moçambique (AT) iniciou este mês a segunda fase de campanha de marcação de combustível em trânsito do país, visando acabar com o contrabando, anunciou esta segunda-feira a instituição.

A coordenadora-nacional de Marcação de Combustíveis, Berta Macamo, afirmou que a AT vai fazer a fiscalização direta de combustível em camiões cisternas, nas estações de serviço e depósitos de combustíveis.

Berta Macamo adiantou que a primeira fase permitiu a marcação de 143 milhões de litros de combustível, desde agosto deste ano. A marcação é feita nos terminais de combustíveis das cidades da Matola, sul, Beira e Quelimane, centro, e Nacala e Pemba, norte.

A operação permitiu apurar que o país registava até 2017 perdas anuais de 66,1 milhões de dólares (57,6 milhões de euros) devido ao contrabando de combustível.

Os contrabandistas voltavam a introduzir no país combustível que tinha passado do território nacional com a indicação fraudulenta de estar em trânsito para outros países, para assegurar a isenção fiscal decorrente da importação.

“Os falsos carregadores de combustível para o estrangeiro não pagavam nada às alfândegas, não iam até ao destino e vendiam o seu produto em Moçambique sem quaisquer encargos”, disse Berta Macamo.

Outra estratégia passava pelo desvio de combustível destinado aos megaprojetos empresariais, uma vez que gozam de benefícios fiscais.

A marcação de combustíveis consiste na adição de um marcador – que é uma substância química – invisível em todo o produto, visando combater a adulteração e o contrabando.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Paris

A morte das catedrais

António Pedro Barreiro

A separação forçada entre a beleza e a Fé é lesiva para ambas as partes. O incêndio em Notre-Dame recorda-nos isso. Recorda-nos que as catedrais não são montes de pedras.

Paris

A morte das catedrais

António Pedro Barreiro

A separação forçada entre a beleza e a Fé é lesiva para ambas as partes. O incêndio em Notre-Dame recorda-nos isso. Recorda-nos que as catedrais não são montes de pedras.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)