Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Começou por ser uma tempestade tropical, mas vai atingir o estado da Florida, a meio desta semana, já como furacão. De acordo com o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos, o furacão Michael está, neste momento, na categoria 1, mas está a ganhar força à medida que se aproxima do Golfo do México e da Florida, podendo chegar à costa norte-americana, na próxima quarta-feira, já como furacão de nível 3. As autoridades do país referem que este pode ser o maior furacão na área em 30 anos.

“Prevê-se que o Michael possa ser o furacão mais perigoso quando atingir o nordeste da Costa do Golfo na quarta-feira e é possível haver tempestades que ameacem vidas em algumas partes da Florida e da Costa do Golfo“, referiu o Centro Nacional de Furacões esta segunda-feira, citado pelo Washington Post. O centro de furacões alerta ainda que as chuvas podem causar inundações em estradas, casas e escritórios ao longo da costa.

Dez semanas, dez furacões no Atlântico. Porquê?

O furacão Michael já afetou o sudeste da ilha mexicana de Cozumel, a oeste de Cuba, com ventos fortes e chuvas torrenciais. De acordo com as previsões, depois de passar pela Florida, deverá dirigir-se para nordeste, passando pelos estados da Carolina do Norte e Carolina do Sul, que

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Embora a maior preocupação seja, para já, nas zonas costeiras, as autoridades não excluem a possibilidade de as zonas mais interiores também serem afetadas, como é o caso do Tallahassee.

Tempestade com “risco de vida”

O governador da Florida, Rick Scott, declarou já estado de emergência em 26 condados da região e já mobilizou 500 soldados da Guarda Nacional norte-americana.

“Esta tempestade vai trazer risco de vida e vai ser extremamente perigosa”, alertou em conferência de imprensa. “Tem o potencial de causar impactos devastadores ao longo do Panhandle e do Big Bend e todas as famílias devem estar preparadas”.

Rick Scott não poupou nos avisos. “Todos têm de estar preparados. Não arrisquem”, disse. “Vai haver uma tempestade, vai haver ventos, possibilidade de inundações e uma possibilidade significativa de tornados”.

Nas redes sociais, reforçou os apelos: “As famílias devem aproveitar a oportunidade, HOJE, para garantir que têm água e comida para três dias, assim como os medicamentos de que necessitam”. “TODAS AS FAMÍLIAS têm de estar preparadas. Podem reconstruir as vossas casas, mas não as vossas vidas”.

Florence. 14 respostas para perceber porque estão os furacões a tornar-se umas ‘bestas’