Nobel da Paz

Nobel da Paz Nadia Murad desafia comunidade internacional a juntar-se à sua luta

A ativista pediu aos governos para apoiarem a causa, a de proteger e procurar justiça para as vítimas de violência sexual em conflitos e para os yazidis, que foram vítimas de um genocídio.

FRANZISKA KRAUFMANN/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A ativista yazidi Nadia Murad, prémio Nobel da Paz 2018, instou esta segunda-feira a comunidade internacional a juntar-se à sua luta contra a violência sexual em conflitos bélicos e contra o genocídio de minorias como a sua.

“Um prémio e uma pessoa não podem conseguir este objetivo, precisamos de um esforço internacional com a ajuda de instituições e a participação de mulheres e jovens, com a participação das vítimas para trazer de novo a vida às regiões destruídas pela guerra”, afirmou Nadia Murad, em Washington, nos Estados Unidos da América, na sua primeira aparição pública depois do anúncio do Nobel.

A ativista pediu aos governos para apoiarem a causa, a de proteger e procurar justiça para as vítimas de violência sexual em conflitos e para os yazidis, que foram vítimas em 2014 de um genocídio pelo Estado Islâmico (EI).

A 3 de agosto de 2014, o EI acedeu à comarca iraquiana de Sinyar, na qual Murad nasceu e cresceu, tendo sido uma das três mil meninas e mulheres que foram submetidas a exploração sexual, um crime que sofreu durante três meses até conseguir fugir. O objetivo do EI era acabar com os yazidis, uma minoria de etnia curda que considera infiel e que foi alvo de 74 genocídios ao longo da História.

A yazidi, de 25 anos, pediu à comunidade internacional para “trabalhar junta para responsabilizar os criminosos e conseguir justiça para as vítimas, especialmente para as das violações sistemáticas do EI e de outros grupos terroristas”. “Justiça não significa matar todos os membros que cometeram estes crimes. Justiça é levar os membros do EI a um tribunal e julgá-los pelos crimes cometidos contra os yazidis e castigá-los por esses crimes”, explicou Murad.

A ativista lamentou que ainda não se tenha conseguido levar os responsáveis pelos crimes de violência sexual aos tribunais, mas espera consegui-lo.

Nadia Murad reparte o Nobel da Paz 2018 com o médico congolês Denis Mukwege, que trabalha pela recuperação de mulheres violadas durante conflitos armados. Ambos partilharão os nove milhões de coroas suecas (870.000 euros) da dotação económica do prémio.

A galardoada indicou que a quantia que lhe corresponde será destinada à sua luta para a reconstrução das vidas de centenas de milhares de yazidis e para a proteção das vítimas de abusos sexuais no conflito, mas reiterou que é necessário mais do que isso.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)