O Governo anunciou a reabilitação de 12 imóveis no âmbito do Plano Nacional de Alojamento do Ensino Superior (PNAES), o que resultará em 2 mil camas até 2021. Investimento rondará os 15 milhões de euros. O anúncio foi feito pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES) ao jornal Público. 

De acordo com o comunicado emitido pelo MCTES, as intervenções vão ser realizadas através de protocolos entre as instituições de ensino superior e a Fundistamo, entidade que gere o Fundo Nacional para a Reabilitação do Edificado (FNRE). O objetivo passa por ter 700 camas disponíveis até 2019, 900 em 2020 e 400 até 2021, em várias zonas do país como, Lisboa, Covilhã ou Évora.

“Paralelamente, em parceria com a Direção-Geral do Tesouro e Finanças e de várias áreas governativas, como a Educação, está em curso um processo de identificação de imóveis pertencentes ao Estado, para inclusão no PNAES, mediante a sua utilização através do FNRE, ou através de cedência ou protocolo de gestão junto de instituições de ensino superior e autarquias”, adiantou o gabinete da secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

PNAES, lançado em maio do ano passado, é baseado no diagnóstico feito pelo (MCTES), que indica que das 13.971 camas disponíveis para estudantes do ensino superior,  apenas 12% garantem alojamento para os cerca de 113.813 alunos que se encontram deslocados da sua área de residência. As regiões com menor oferta são a Área Metropolitana de Lisboa, Coimbra e a Área Metropolitana do Porto.

Esta medida surge após vários protestos de estudantes relativamente ao preço das habitações.