Rádio Observador

Tecnologia

“No meio do nada, o nosso telefone funciona e funciona bem”

111

José Correia, diretor de marketing da área “mobile” da Samsung, explica porque é que o Galaxy Note 9 é o “smartphone” da nova geração de trabalhadores.

Aos 36 anos, José Correia lidera o departamento de marketing da Samsung para a área “mobile” e uma das suas apostas tem sido a criatividade como método de trabalho. Segundo este responsável, a criatividade é fundamental para comunicar com os consumidores e diferenciar a marca da concorrência.

Exemplo disso é a experiência inédita que teve lugar há poucas semanas numa zona isolada do país. Objetivo: demonstrar que “até no meio do nada, o nosso telefone funciona e funciona bem”, explica José Correia, referindo-se ao novo “smartphone” da Samsung, o Galaxy Note 9.

Idealizada pela equipa de marketing da marca, em conjunto com a agência criativa Uzina, a experiência recebeu o nome “Penedo Coworking” – na Casa do Penedo construída entre duas grande pedras, no interior de uma enorme pedra na Serra de Fafe, distrito de Braga. Reuniram cinco pessoas de diversas áreas de trabalho – empresário, ilustrador, fotógrafo, jornalista e apresentadora de televisão – e pediram-lhes que trabalhassem como num dia normal no escritório.

Este espaço temporário de “coworking” demonstrou as capacidades e o poder do Galaxy Note 9 em termos de trabalho à distância.

“As coisas resultaram muito bem”, resume José Correia, acrescentando que os telemóveis estão cada vez mais presentes “no meio do ecossistema de trabalho e família”.

A nova geração de trabalhadores está interessada na utilização de dispositivos móveis como instrumento de trabalho, ao mesmo tempo que procura maior autonomia fora do escritório. O Galaxy Note 9 é “claramente o equipamento que melhor traduz essa tendência”, afirma o mesmo responsável.

Um estudo de opinião apresentado em setembro pela consultora IDC – International Data Corporation revelou que 62,8% dos portugueses inquiridos tinham vontade de trabalhar fora da empresa e 78,1% disseram que o “smartphone” já hoje lhes permite uma melhor gestão do tempo pessoal.

“As pessoas já perceberam que conseguem ser mais produtivas quando lhes é conferido um maior grau de liberdade e flexibilidade”, comenta o diretor de marketing.

Uma preocupação dos consumidores, evidenciada pelo estudo da IDC, relaciona-se com a segurança dos dados armazenados na memória do telefone. Neste particular, José Correia garante que a Samsung oferece “total segurança e confidencialidade”, uma vez que Galaxy Note 9 tem múltiplas camadas de defesa e segurança, graças à plataforma Knox, integrada no “hardware” e no “software” durante a fase de fabrico.

De resto, os equipamentos da família Note sempre se fizeram notar pela inovação e o novo Galaxy Note 9, garante a marca, “ultrapassa as expectativas”. Pela primeira vez, a “S Pen” inteligente, que os utilizadores já conheciam, reúne o poder da tecnologia bluetooth, podendo ser utilizada como controlo remoto do “smartphone”, para tirar fotografias, apresentar “slides” ou fazer “play” num vídeo do YouTube. A autonomia da bateria do Galaxy Note 9 é outra das características em destaque. Com apenas um carregamento, permite uma utilização tranquila durante um dia inteiro de trabalho.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)