Cultura

Antiga hemeroteca de Lisboa vai ser transformada em centro cultural pelos jesuítas

190

Palácio histórico no centro de Lisboa será um espaço para o diálogo entre a fé cristã e a cultura, resultante de uma parceria entre a Companhia de Jesus e a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

O pólo cultural vai abranger a igreja e museus de São Roque e o Palácio dos Condes de Tomar

Leonardo Negrão

O histórico Palácio dos Condes de Tomar, no Bairro Alto, em Lisboa, onde funcionou durante décadas a Hemeroteca Municipal de Lisboa, vai ser transformado pelos jesuítas portugueses num centro cultural. Objetivo: promover o diálogo entre a fé cristã e as culturas urbanas contemporâneas.

Segundo explicou ao Ponto SJ o padre jesuíta Francisco Mota, responsável pela comissão instaladora do centro, o objetivo passa por “estabelecer pontes entre fé e cultura“, colocando “a tradição cristã em diálogo com as culturas urbanas contemporâneas”.

Na origem do projeto, uma parceria entre a Província Portuguesa da Companhia de Jesus e a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML), está a revista Brotéria, uma das mais antigas revistas científicas e culturais do país, fundada por jesuítas em 1902.

O novo pólo cultural será composto por duas partes: um nos espaços da igreja de São Roque e do arquivo e biblioteca da SCML, onde funcionarão espaços museológicos, e outro no palácio, onde estará a revista Brotéria. Do pólo cultural fazem parte o Museu de São Roque e a Casa Ásia, que abre no próximo ano e onde estará patente ao público a coleção de arte asiática que reúne o espólio de Francisco Capelo, transferido no ano passado para a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

Esse espaço, segundo o padre Francisco Mota, será “um espaço dinâmico, aberto à rua, que atrairá pela sua programação variada e atenta às questões atuais que quem vive numa cidade como Lisboa enfrenta“. Segundo o sacerdote, “a abertura à cidade não é contrária a esta identidade fortemente cristã”, mas, “pelo contrário, potencia-a”.

“As grandes questões económicas, políticas, urbanistas, artísticas, sociológicas, históricas, etc, são o contexto no qual a fé se move. É aí que a Igreja tem que estar, porque é aí que estão as pessoas — com as suas preocupações, desafios, esperanças”, considera Francisco Mota.

O espaço terá uma programação cultural que contará com exposições, debates, conferências e espetáculos, além de abrir o acervo da revista Brotéria a leitores e investigadores.

O objetivo é expor-nos ao diálogo e ao debate, para com isso pôr em evidência as convergências que existem entre a fé, a cultura e as ciências. Um diálogo entre a fé cristã e as culturas urbanas contemporâneas, para construir uma sociedade mais justa e humana”, defende Francisco Mota.

Recorde-se que, em 2015, o projeto para restaurar o palácio — que incluía a demolição de algumas partes do edifício — motivou o protesto do Fórum Cidadania Lx, que alegava que a instalação da biblioteca dos jesuítas seriam prejudiciais ao património que ali existia.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)