Catalunha

Catalunha. Divisões internas levam independentistas a perder maioria no Parlamento

Desacordo entre ERC e Juntos Pela Catalunha sobre transferência do mandato de deputados fugidos leva coligação a perder quatro lugares. PP pressiona Ciudadanos e PSOE a avançarem com moção de censura.

O presidente da Generalitat, Quim Torra

AFP/Getty Images

O governo da Catalunha, liderado por Quim Torra, perdeu a maioria parlamentar que o apoiava, na sequência de um longo diferendo que opôs os dois principais partidos independentistas — Juntos Pela Catalunha e Esquerda Republicana (ERC). A situação abre portas à instabilidade governativa e já levou alguns, como o líder do Partido Popular (PP), a falar na possibilidade de uma moção de censura que derrube a Generalitat e leve a região a novas eleições.

A divisão interna entre os partidos independentistas começou em julho, quando o juiz do Supremo Tribunal de Espanha, Pablo Llarena, impôs a obrigatoriedade de o Parlamento catalão nomear substitutos para os deputados acusados no processo legal relacionado com o referendo pela independência. Os seis estão atualmente detidos ou fugidos no estrangeiro, como é o caso do antigo presidente da Generalitat Carles Puigdemont.

Seguiram-se mais de dois meses de negociação entre a ERC e o Juntos, que resultaram num acordo para substituir os seis homens em causa — Oriol Junqueras e Raül Romeva, da ERC, bem como Carles Puigdemont, Jordi Sànchez, Jordi Turull e Josep Rull, do Juntos Pela Catalunha. Só que, como explica o El Periódico, depois de Junqueras e Romeva escreverem uma carta a pedir a substituição, o Juntos disse ter mudado de ideias.

A ERC começou então a pressionar os independentistas do Juntos para que apresentassem os seus substitutos. Nessa batalha, contou com o apoio dos assessores jurídicos do parlamento catalão, que defendiam que a ordem do juiz Llarena deveria ser cumprida e os deputados em causa substituídos, e do presidente do Parlamento, Roger Torrent (também ele da ERC).

O Juntos Pela Catalunha, por seu turno, tentavam pressionar a ERC e Torrent a desobedecer à ordem jurídica — o que não veio a acontecer. Quando o Juntos apresentou no parlamento uma proposta para que os quatro deputados em causa pudessem manter o sistema atual — delegar o seu voto em outros deputados —, a ERC aliou-se ao Partido Socialista da Catalunha (PSC) e votou para classificar o texto como “não tendo efeitos jurídicos”.

Esta terça-feira, a rutura foi consumada no plenário. Os quatro deputados do Juntos enviaram uma carta onde deixaram clara a sua posição (e do partido): “Assumiremos a decisão e os nossos direitos deixarão de ser contabilizados.” A decisão é determinante, porque significa que a coligação independentista perde assim quatro deputados — o que se traduz numa perda da maioria parlamentar que detinham até agora. Dos 66 deputados com que contavam, subtraem-se agora os quatro do Juntos e um quinto deputado da ERC, Toni Comín. Comín está fugido em Bruxelas e é alvo de um recurso judicial ainda a ser analisado, apresentado pelo Ciudadanos, razão pela qual não pode ser para já substituído.

Na prática, tal significa que os independentistas têm agora 61 deputados. Mesmo contando com o apoio dos deputados da CUP, partido de extrema-esquerda da qual o Juntos e a ERC dependem, ficam-se pelos 65, aquém dos 68 necessários para ter maioria absoluta na câmara. O fim dessa maioria traduziu-se automaticamente na sessão do plenário desta terça-feira: sem os votos necessários, os independentistas não conseguiram aprovar uma proposta sobre a autodeterminação da Catalunha, um voto de reprovação do Rei pelas suas declarações sobre a independência catalã e um texto contra a “perseguição política e existência de presos políticos”.

Moção de censura à vista? Talvez não — para já

Com a perda da maioria dos independentistas no parlamento, o líder espanhol do PP, Pablo Casado, aproveitou para instar os líderes do Ciudadanos e do Partido Socialista (PSOE), Albert Rivera e Pedro Sánchez, a derrubarem o governo catalão.

Estamos perante uma oportunidade histórica e não podemos deixá-la passar. Este é o momento para apresentar uma moção de censura”, declarou Casado no Congresso espanhol.

Essa, contudo, não parece ser a vontade dos partidos em questão, pelo menos para já. De acordo com o La Vanguardia, tanto o Ciudadanos como os socialistas catalães estão cautelosos, temendo que uma moção de censura possa unir os independentistas na próxima campanha eleitoral e prejudicar nas urnas os partidos que os derrubaram. “A estratégia”, escreve o jornal, “é esperar, assinalar as diferenças entre as principais forças independentistas, e que, pouco a pouco, a debilidade parlamentar leve o governo de [Quim] Torra a um final abrupto.”

Para além disso, explicou o vice do Ciudadanos José Manuel Villegas, a matemática não ajuda: é certo que os independentistas perderam a maioria, mas os restantes partidos, mesmo que se unissem todos, também não a têm. Isto porque, com cinco deputados a menos, os partidos não independentistas somam apenas 65 deputados — aquém, à mesma, dos 68 necessários para uma maioria absoluta. Soma-se a toda esta incerteza a posição do Catalunha, Sim Podemos (coligação que inclui o Podemos espanhol): embora contra a independência, o partido é favorável à realização de um referendo e pode pontualmente apoiar os independentistas em algumas matérias.

“Se nalgum momento virmos a oportunidade de retirarmos os separatistas das instituições, ninguém duvide que a aproveitaremos”, promete Villegas. “A moção [de censura] neste momento serviria para alinhar temporariamente o separatismo em oposição à moção e serviria para quem dissimulassem a crise.” Por outras palavras, o objeto das forças unionistas é o de tentar cozer os independentistas em fogo lento e ir-lhes dando lenha para se queimarem no parlamento. Resta saber como é que o Juntos Pela Catalunha e a ERC, a atravessar um momento de profunda divisão, conseguirão reagir a isso.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbruno@observador.pt
Moçambique

A extradição de Chang e o futuro da Frelimo

Manuel Matola

Apesar da complexidade do caso e da gravidade das acusações contra Manuel Chang, uma eventual extradição para Moçambique garantiria de que o processo-crime que corre em Maputo teria uma morte natural.

África do sul

África do Sul – Que Futuro?

Jaime Nogueira Pinto

Em vésperas de eleições, a República da África do Sul vive dias instáveis, entre a democracia e a cleptocracia. E radicalização de um ANC em quebra eleitoral pode por em causa os equilíbrios do regime

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
364

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)