Cinema

Cinemas portugueses com menos 1,4 milhões de espectadores este ano

Segundo o Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA), divulgadas esta quarta-feira, as 561 salas da rede de exibição comercial tiveram cerca de 10,5 milhões de espectadores entre janeiro e setembro.

JENS KALAENE/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Entre janeiro e setembro deste ano, as salas de cinema portuguesas perderam 1,4 milhões de espectadores, em relação ao mesmo período do ano passado, o que significa uma quebra de 12,4%, segundo dados oficiais divulgados esta quarta-feira.

Segundo as estatísticas mensais do Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA), divulgadas esta quarta-feira, as 561 salas da rede de exibição comercial tiveram cerca de 10,5 milhões de espectadores entre janeiro e setembro deste ano, quando, no mesmo período de 2017, se registaram cerca de 11,9 milhões.

Em termos mensais, setembro registou um aumento de espectadores de 14,2%, em relação a setembro de 2017. Ou seja, mais 132 mil pessoas foram ao cinema em setembro deste ano do que em setembro do ano passado, mas não as suficientes para atenuarem a tendência de quebra consecutiva de assistências nos cinemas portugueses.

No que diz respeito às receitas de bilheteira, entre janeiro e setembro deste ano houve uma quebra de 9,1%, cerca de 5,64 milhões de euros a menos, em relação ao mesmo período de 2017.

Entre janeiro e setembro deste ano, registaram-se 56,6 milhões de euros de receita bruta de bilheteiras, nas 561 salas da rede de exibição comercial, e, no mesmo período de 2017, o valor tinha sido de cerca de 62,2 milhões de euros.

Este ano, até setembro, o filme mais visto em Portugal foi “The Incredibles 2: Os Super-heróis” (estreado em junho), com cerca de 605 mil espectadores, seguido de “Hotel Transylvania 3: Umas férias monstruosas” (estreado em julho), com cerca de 435 mil, e “As cinquenta sombras livres” (estreado em fevereiro), com 430 mil. No conjunto de todas as salas de exibição comercial do país, cada sessão de cinema teve em média 21 espectadores.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)