Rádio Observador

EDP

Ex-diretor de energia e as portas giratórias. “O conceito não se aplica a mim”

Antigo diretor-geral da Energia, defendeu estar fora do movimento de circulação de quadros técnicos entre Governo, consultoras e empresas de energia. Miguel Barreto criou e vendeu empresa à EDP.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Miguel Barreto, que foi diretor-geral da Energia entre 2004 e 2008, recusa ser associado ao movimento de portas giratórias que tem sido associado ao setor da energia, a propósito da circulação de quadros entre governos, reguladores, consultoras e empresas energéticas. “O conceito de portas giratórias não se aplica a mim”, afirmou esta quarta-feira no Parlamento quando confrontado com a criação de uma empresa de certificação energética, após ter abandonado funções, e que vendeu mais tarde à EDP. “Não vim do setor elétrico, nem fui para o setor elétrico”. Miguel Barreto trabalha atualmente como consultor de energia fora de Portugal, atualmente está envolvido num projeto no Nepal, mas em Portugal está a trabalhar no licenciamento de centrais fotovoltaicas.

O conceito de portas giratórias tem-se aplicado a quadros que apoiaram do ponto de vista técnico os governos a tomar decisões políticas e que depois foram parar às empresas visadas por esses diplomas legais. João Conceição e Rui Cartaxo, que foram administradores da REN depois de passarem por gabinetes governamentais, e Ricardo Ferreira, que é diretor da EDP.  Há ainda um ponto de origem comum a vários destes técnicos, a consultora Boston Consulting da qual vieram João Conceição, Ricardo Ferreira, mas também Miguel Barreto.

Durante a audição na comissão parlamentar de inquérito às rendas excessivas da eletricidade, Miguel Barreto começou por sublinhar: “Quero deixar claro que não favoreci interesses particulares, mas sim o interesse do Estado e dos consumidores. Como diretor-geral sempre tive postura técnica”. Para ex-diretor-geral, a certificação energética, atividade que avalia a eficiência dos sistemas de fornecimento de energia em residências e outras instalações, não é do setor elétrico, será mais do imobiliário.

Miguel Barreto recordou que tinha 40% do capital da uma empresa de certificação energética, a Home Energy, na qual o acionista maioritário era a Martifer. Diz que a EDP abordou a Martifer para comprar a empresa, numa altura em que este grupo estava em reestruturação e decide vender. Recordou que havia um acordo parassocial com uma cláusula de “tag along”, ou seja, tinha a opção de vender a sua posição se o maior acionista também o fizesse.

Barreto descreveu a Home Energy como a empresa líder na certificação energética, com uma faturação de oito milhões de euros e mais de 100 colaboradores e garantiu: “Não foi uma negociação fácil”. E contou que o preço de quatro milhões de euros, acabou por baixar para 3,4 milhões de euros. E a EDP ainda conseguiu reduzir mais 150 mil euros. O Observador revelou que o encaixe recebido pelo antigo-diretor geral com esta venda foi transferido para uma conta na Suíça, o que suscitou uma investigação por parte das autoridades daquele país. Isto porque Miguel Barreto é um dos visados na investigação da justiça portuguesa à suspeita de decisões de vários governos que terão favorecido a EDP, em particular relacionadas com os custos de manutenção do equilíbrio contratual (CMEC), que tem sido associados às rendas excessivas do setor elétrico.

O antigo diretor-geral referiu ainda a existência de uma cláusula de não concorrência de cinco anos para si, que o impedia de trabalhar numa empresa concorrente. E até admitiu “Houve uma certa vontade de me tirar do mercado”. E numa resposta posterior admitiu que a EDP pode ter querido comprar a Home Energy para poder fornecer os serviços adicionais de auditoria e certificação energética que estão incluídos nas ofertas no mercado liberalizado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)