Rádio Observador

Furacão

Veja o momento em que o furacão Michael atingiu terra com ventos a 250 km/h

172

O furacão Michael atingiu terra. A tempestade tem ventos sustentados de 250 km/h mas está a 2 km/h de subir para um furacão de categoria 5. O momento em que chegou à Flórida foi filmado por satélites.

O furacão Michael acabou de chegar à costa oeste dos Estados Unidos da América e a NASA, a agência espacial norte-americana, publicou imagens de satélites do momento em que a tempestade entrou pela costa da Florida dentro. No momento que entrou em terra, a tempestade Michael movia-se a 23 quilómetros por hora e tinha ventos sustentados de 250 quilómetros por hora. Se os ventos acelerarem mais dois quilómetros por hora, Michael sobe para um furacão de categoria 5 e passará a ser catastrófico.

No momento em que Michael chegou a terra, a tempestade fez história. Este é o primeiro furacão de categoria 4 a atingir a Língua de Terra da Flórida, o maior a chegar a essa região desde o furacão Dennis em 2005 e o mais poderoso dos últimos 14 anos a chegar à costa oeste norte-americana. Além disso, os dados estatísticos do Centro Nacional de Furacões dizem que, em termos de pressão atmosférica, Michael é neste momento o nono furacão do Atlântico mais poderoso a atingir terra.

[Veja no vídeo como o furacão Michael é visto do espaço]

O Centro Nacional de Furacões emitiu um comunicado a dizer que o Michael ainda pode piorar: “O Michael deve virar para nordeste e começar a acelerar à medida que se move ao longo do sudeste dos Estados Unidos até quinta-feira à noite. O ciclone deve chegar novamente ao Atlântico ocidental na sexta-feira, e mover-se rapidamente para leste-nordeste ao longo do Atlântico Norte este fim de semana”, prevê. Rick Scott, governador da Florida, diz que espera níveis de destruição nunca registados nos últimos 100 anos.

Os meteorologistas preveem inundações com até 4 metros de altura. Também avisaram que “o Michael vai produzir danos causados ​​pelo vento potencialmente catastróficos” e que “ventos com força de furacão que ameaçam a vida ocorrerão na Língua de Terra da Flórida, sudeste do Alabama e sudoeste de Georgia”.

Só as cidades que estiverem no percurso do olho de furacão é que vão experimentar curtos períodos de calmaria durante a passagem da tempestade. O olho é a parte central do ciclone tropical em torno do qual giram as nuvens que compõem o furacão e onde se verificam as pressões atmosféricas mais baixas e as temperaturas mais altas de todo o fenómeno meteorológico. A uma altitude de 12 quilómetros podem registar-se temperaturas até 10 ºC mais quentes do que nas regiões vizinhas, embora na superfície essa diferença esteja entre os dois e os 3 ºC. O clima é tão pacífico lá dentro que pode ser possível observar o céu e, durante a noite, ver estrelas.

O olho do furacão pode ter ter entre oito e 200 quilómetros de diâmetro, mas a maior parte não ultrapassa os entre 30 e 60 quilómetros de comprimento, explica o Laboratório Meteorológico e Oceanográfico do Atlântico.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)