Neurociência

A ilusão que leva o cérebro a “viajar no tempo”

Há uma nova ilusão ótica e auditiva que mostra como o cérebro consegue "viajar no tempo" para arrumar ideias e construir memórias. Experiência foi criada por cientistas da Caltech. Experimente-a aqui.

Uma equipa de cientistas do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech) inventou uma ilusão que explica como o cérebro “viaja no tempo” para conseguir gerir a informação com que é bombardeado através dos cinco sentidos. Essa ilusão — que tem uma componente ótica e outra auditiva — foi publicada no canal do Caltech no YouTube e, segundo os cientistas, prova que “os sentidos podem influenciar-se uns aos outros, em particular o som pode dar origem a ilusões visuais”. Esta experiência é dos primeiros trabalhos científicos “a mostrar este tipo de ilusão de viagem no tempo através de múltiplos sentidos”, acredita a equipa.

Nesse vídeo, que pode ver aqui em cima, o Caltech desafia o internauta a concentrar-se numa cruz preta no centro de um ecrã cinzento e a contar quantos flashes aparecem por baixo dessa cruz. O vídeo está separado em três partes: na primeira, os flashes aparecem acompanhados de sinais sonoros; na segunda aparecem em silêncio; e no terceiro voltam a aparecer com sinais sonoros associados. Em cada uma das partes, a maioria das pessoas diz ver três flashes: o primeiro e o terceiro aparecem à esquerda e à direita e o segundo flash aparece entre esses dois. Mas, como desvendam os cientistas, na realidade só aparecem dois flashes ao longo do vídeo, embora se oiçam três sinais sonoros.

A primeira parte da experiência chama-se Coelho Ilusório. Um flash no canto inferior esquerdo e um sinal sonoro muito curto aparecem quase simultaneamente no vídeo; depois, 58 milissegundos mais tarde, ouve-se um segundo sinal sonoro muito curto; e a seguir, 58 milissegundos depois, um flash no canto inferior direito surge quase ao mesmo tempo que o terceiro sinal sonoro. O curioso é que, apesar de só haver dois flashes no vídeo, a maior parte das pessoas vê três. E todas as que veem esse flash invisível dizem que ele surge no centro do ecrã ao mesmo tempo que o segundo sinal sonoro.

A segunda parte da experiência chama-se Coelho Invisível. Desta vez, aparecem de facto três flashes no ecrã: o primeiro no canto inferior esquerdo, o segundo a meio do monitor e o terceiro no canto inferior direito. O primeiro e o terceiro flashes é que surgem acompanhados por sinais sonoros, mas a maior parte das pessoas só vê dois desses flashes, como se ignorassem aquele que não aparece ao mesmo tempo que o som. Segundo o Caltech, “a ausência do segundo sinal sonoro leva o cérebro a decidir que na verdade não havia flash, embora estivesse de facto presente”.

Noelle Stiles, uma das criadoras do estudo, explica em comunicado de imprensa que “o cérebro usa suposições sobre o meio ambiente para determinar a realidade com base em informação que é barulhenta e confusa vinda de sentidos múltiplos”: “Quando essas suposições acontecem erradamente, podem ocorrer ilusões quando o cérebro tenta determinar o que faz mais sentido numa situação confusa”, concretiza. E isto acontece tão rápido que mesmo um estímulo que acontece mais tarde pode afetar as perceções que temos de um evento anterior. A este fenómeno chamamos “postdiction” em inglês, uma palavra que em português pode ser traduzida para “retrodição”.

No caso particular desta ilusão ótica e auditiva, “o cérebro assume que deve ter perdido o flash associado ao sinal sonoro não emparelhado e literalmente inventa sozinho o facto de que deve ter havido um segundo flash que ele perdeu”: “A chave para ambas as ilusões é que os estímulos sonoros e visuais ocorrem rapidamente, em menos de 200 milissegundos (um quinto de segundo). O cérebro, na tentativa de dar sentido a essa barragem de informações, sintetiza os estímulos de ambos os sentidos para determinar a experiência, usando a retrodição para fazê-lo”, conta Noelle Stiles.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Eleições no Brasil

O solipsismo colectivo /premium

Paulo Tunhas

Os missionários de esquerda vivem isolados do mundo numa bolha que generosamente lhes permite uma espécie de solipsismo colectivo. Só eles, como um todo, existem, só eles são dotados de alma.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)