Política Económica

China dá 300 milhões à Corporação Financeira de África para investimentos no continente

Segundo comunicado anunciado esta quinta-feira, o investimento vai "abrir outras hipóteses de financiamento e relações com as entidades privadas e públicas chinesas" ao continente africano.

CARLOS JORGE MONTEIRO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Corporação Financeira de África (AFC) acordou com o Banco de Exportações e Importações da China (BEIC) um empréstimo de 300 milhões de dólares (cerca de 260 milhões de euros) para financiar o desenvolvimento de projetos no continente africano, foi esta quinta-feira anunciado.

“A disponibilização deste instrumento financeiro do BEIC marca a entrada da AFC na China, que demonstra o foco estratégico da AFC em construir uma coligação variada de investidores para diversificar as atividades de financiamento de forma a incluir todas as fontes de capital institucional na Ásia, além dos parceiros atuais na Europa e na América do Norte”, lê-se num comunicado.

A AFC é uma instituição financeira multilateral, à semelhança do Banco Africano de Desenvolvimento e do Banco Africano de Exportações e Importações (Afreximbank), com sede em Abuja e detida maioritariamente pelo banco central da Nigéria, tendo como parceiros algumas das principais instituições financeiras mundiais, de acordo com a informação no seu site.

“Além da liquidez a médio prazo, este instrumento financeiro vai aumentar o financiamento contingente, que é particularmente importante para a gestão de riscos de liquidez, bem como abrir outras hipóteses de financiamento e relações com as entidades privadas e públicas chinesas”, acrescenta o comunicado.

“Nas últimas duas décadas, a China passou de um investidor relativamente pequeno para um dos maiores parceiros comerciais de África hoje [quinta-feira]”, disse o presidente da AFC, Samaila Zubairu.

A China é um dos maiores parceiros comerciais de África e no último Fórum de Cooperação China-África, em setembro, o gigante asiático anunciou uma meta de 60 mil milhões de dólares em ajuda ao investimento e empréstimos a África.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
BCE

Arrivederci, Mario!

Jorge Silveira Botelho

Os que creem que as taxas de juro na Europa não sobem não se iludam. Quem de perfeito juízo acredita que Draghi deixará em mãos alheias o anúncio do fim do ciclo monetário que tão arrojadamente abriu?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)