Rádio Observador

Crédito à Habitação

Concorrência está a tornar bancos menos exigentes na concessão de crédito, admite Banco de Portugal

Banco de Portugal avisa que as "pressões exercidas pela concorrência têm contribuído para atenuar, de algum modo, a restritividade na concessão de crédito a particulares"

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

O Banco de Portugal avisa que as “pressões exercidas pela concorrência têm contribuído para atenuar, de algum modo, a restritividade na concessão de crédito a particulares“. Por outras palavras, os bancos estão menos exigentes na hora de conceder crédito, alerta o Banco de Portugal. A análise da instituição liderada por Carlos Costa, que consta do Boletim Económico divulgado esta quinta-feira, tem por base os resultados do último inquérito feito junto dos bancos para perceber quão exigentes os bancos estão a ser na análise de risco dos clientes na hora de avaliar operações de crédito, tanto na área do crédito à habitação como ao consumo.

Segundo dados do Banco de Portugal, a banca nacional concedeu novos créditos ao consumo no valor de 3.132 milhões de euros entre janeiro e agosto — o valor mais alto em 14 anos.  Só no mês de agosto os bancos concederam empréstimos ao consumo no valor de 404 milhões de euros, o valor mais alto para este mês desde 2003.

Na área do crédito hipotecário, na terça-feira o Banco de Portugal indicou que os empréstimos concedidos pelos bancos para habitação totalizaram 810 milhões de euros em agosto, com juros médios mais baixos. Em julho, tinha havido 919 milhões de euros em crédito, mês em que entrou em vigor a recomendação que o Banco de Portugal — ou seja, indicando que não está a contribuir para uma desaceleração da tendência de aumento do crédito.

Já no inquérito aos bancos relativo a julho o Banco de Portugal revelava que “uma instituição indicou que as pressões exercidas pela concorrência de outras instituições bancárias contribuíram ligeiramente para tornar os critérios aplicados nos empréstimos para aquisição de habitação menos restritivos. No segmento do crédito ao consumo e outros fins, uma instituição assinalou que as pressões exercidas pela concorrência, com origem em outras instituições bancárias ou em instituições não bancárias, bem como a situação e as perspetivas económicas gerais mais favoráveis, contribuíram ligeiramente para uma menor restritividade dos critérios de concessão de crédito nesse segmento”.

Essa “menor restritividade dos critérios” já poderá, assim, ser mais generalizada do que a situação que foi apontada por uma instituição em julho. No relatório divulgado esta quinta-feira, o Banco de Portugal já fala em “bancos inquiridos”, no plural, que “referem que as pressões exercidas pela concorrência têm contribuído para atenuar, de algum modo, a restritividade na concessão de crédito a particulares”.

O Banco de Portugal complementa esta informação com uma análise relativamente aos indexantes de taxa de juro que estão a ser contratados no crédito à habitação, com um “maior dinamismo” na contratação de créditos com taxa de juro variável com prazo inferior a um ano.

A instituição liderada por Carlos Costa sublinha, contudo, que o rácio entre os novos empréstimos para habitação e o montante total das transações de alojamentos familiares em Portugal aumentou face aos níveis mínimos atingidos em 2015.  “Todavia, permanece em níveis bastante mais baixos do que os observados em 2010”, frisa a instituição.

A redução do peso do financiamento bancário nas transações é transversal às várias regiões do país mas a sua magnitude é maior na Área Metropolitana de Lisboa e no Algarve, regiões onde o investimento estrangeiro ou a compra de imóveis por parte de empresas poderá ter um peso mais elevado nas transações.

Porém, o Banco de Portugal alerta que, na área do crédito ao consumo, o “dinamismo do crédito a particulares para consumo tem implicado um aumento da fração de consumo financiada com recurso a crédito, para níveis que se situam acima dos níveis observados na segunda metade de 2009”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)