Orçamento do Estado

Conselho de Ministros reune-se no sábado para aprovar Orçamento do Estado 2019

O Governo agendou para este sábado um Conselho de Ministros extraordinário para a aprovar a proposta de Orçamento do Estado para 2019. O documento tem de entrar na AR na segunda-feira.

PAULO NOVAIS/LUSA

O Governo marcou para o próximo sábado um Conselho de Ministros extraordinário para aprovar a proposta de Orçamento do Estado para 2019, apurou o Observador.

Este é o último orçamento desta legislatura, e fecha assim um ciclo em que, de forma inédita, todos os orçamentos foram negociados previamente com os partidos à esquerda do PS. Ainda esta terça-feira, depois da apresentação das linhas gerais do documento aos partidos com representação parlamentar, o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos classificava o documento “não como mais um” Orçamento, mas como “o último de quatro anos que têm permitido uma trajetória de melhoria das condições económicas e sociais do país e das famílias portuguesas”.

Como tem sido hábidto todos os anos, a proposta tem estado a ser negociada até à última com PCP, Bloco de Esquerda e Verdes e o governo admite que as negociações têm sido “sempre muito difíceis e duras”. Ninguém dá a aprovação por garantida, embora seja pouco provável que o último orçamento da legislatura fuja ao guião que se cumpriu sempre nos anos anteriores: “Estamos a trabalhar até ao último minuto para que consigamos ter um bom orçamento aprovado”, disse Pedro Nuno Santos.

Também no debate quinzenal desta quarta-feira, na reta final das negociações, António Costa aproveitou já para fazer um balanço desta experiência governativa, salientando que a “geringonça” mostrou que “a política era boa, mas também os resultados dessas política”.

Do documento que será aprovado pelo executivo durante o fim-de-semana, conhecem-se já alguns números do cenário macroeconómico que foram transmitidos aos partidos: o défice em 2019 deverá ficar nos 0,2%, o crescimento da economia é ligeiramente menor do que o que constava no Programa de Estabilidade entregue em Bruxelas em abril passado, com a previsão de que fique nos 2,2%, em vez dos 2,3% previstos inicialmente.

Quanto ao desemprego, o percurso é o inverso, com previsões agora mais otimistas, de 7,2% iniciais para cerca de 6%, tal como a redução da dívida pública que se prevê agora nos 117% do PIB, em vez de 118,4%.

Entre os temas que poderão vir a ser negociados até à aprovação final do documento, agendada para Novembro, estão os aumentos salariais para os funcionários públicos (os partidos à esquerda consideram o montante oferecido pelo governo – cerca de 50 milhões – insuficiente), o aumento extraordinário das pensões e o calendário em que será aplicado, ou a redução do preço da eletricidade.

Na segunda-feira, 15 de outubro, a proposta do Orçamento do Estado para 2019 é formalmente entregue na Assembleia da República.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: pbenevides@observador.pt
Professores

A Justiça e os Professores

Arnaldo Santos
431

Justiça é dar a cada um aquilo que é seu e cada professor deu o seu trabalho no tempo de congelamento na expetativa de ter a respetiva retribuição relativa à progressão na carreira: o que é seu é seu.

Benefícios Fiscais

Se calhar mais valia ter ido…

António Maria Cabral
177

Por que motivo um jogador de futebol (Pepe) que receberá milhões de euros afinal “só” vai pagar metade de IRS? A resposta é nos dada pela Lei de Orçamento de Estado de 2019...

PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)