Liberdade de Expressão

Informático do Facebook que criticou a empresa por “intolerância” a políticas de direita demitiu-se

307

Brian Amerige demitiu-se do Facebook. "Importo-me demasiado em defender a liberdade de expressão", justificou. O informático criticou a "intolerância" da empresa às ideologias de direita, em agosto.

Mark Zuckerberg é fundador e presidente executivo do Facebook que também detém outras plataformas como o WhatsApp e o Instagram

MICHAEL REYNOLDS/EPA

“Somos [Facebook] uma monocultura política que é intolerante a visões diferentes (…) Afirmamos que acolhemos todos os pontos de vista, mas atacamos demasiado rápido qualquer pessoa que esteja em oposição à ideologia de esquerda”. Foi com esta frase, enviada num memorando interno, que Brian Amerige, informático no Facebook, atacou a empresa em agosto. Agora, Amerige demitiu-se.

Importo-me demasiado com o papel do Facebook em defender a liberdade de expressão e a diversidade intelectual para continuar com todo o coração a desenvolver o nosso produto, e sei que é tempo de me ir embora”, explicou Brian Amerige aos colegas para justificar a sua saída.

Depois críticas em agosto deste ano, o engenheiro informático foi comparado a James Damore, antigo programador da Google que acusou a tecnológica de “ostracizar conservadores”. Damore foi despedido pelas afirmações e processou a empresa. Os comentários de Amerige fizeram com que centenas de funcionários  apoiassem os seus comentários num grupo interno da empresa e criticaram também a forma como o Facebook lida com a ideologia política.

No memorando, Amerige afirmou ainda estar “saturado da estratégia, cultura e produto do Facebook” e que não concorda com o rumo que a empresa está a tomar. Segundo o informático, “estes problemas resolvem-se”, mas não consegue continuar.

Em resposta ao Business Insider, que avança a notícia, o Facebook confirmou a saída do informático e deseja sucesso no futuro do informático. Brian Amerige, no memorando de saída, afirma que vai criar uma startup.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Liberdade de Expressão

A “iliteracia” dos iluminados...

Nuno Pires
160

Existem pessoas que antes de lerem um texto, artigo de opinião, se dão ao luxo de fazerem considerações depreciativas e extraírem conclusões precipitadas, mesmo só olhando, simplesmente, para o título

Global Shapers

Nas mãos da inteligência, salvo seja

João Romão

A inteligência artificial atingiu os seus objetivos, mas não da forma que os seus criadores anteviam (ou desejariam). Queremos dar-lhe este poder a temas como, por exemplo, a liberdade de expressão?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)