Crimes Sexuais

Justiça anula uma das acusações contra o produtor Harvey Weinstein

Harvey Weinstein apresentou-se em tribunal, em Nova Iorque, tendo o juiz decidido anular uma das acusações, referente à denúncia de um crime alegadamente cometido em 2004.

JASON SZENES/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Uma das acusações de abuso sexual contra o produtor norte-americano Harvey Weinstein foi esta quinta-feira anulada em tribunal em Nova Iorque, revelou a Associated Press.

Harvey Weinstein apresentou-se em tribunal, em Nova Iorque, tendo o juiz decidido anular uma das acusações, referente à denúncia de um crime alegadamente cometido em 2004. Segundo aquela agência noticiosa, o juiz aceitou deixar cair a acusação de Lucia Evans, que disse ter sido forçada a fazer sexo oral no escritório de Harvey Weinstein em 2004. A história desta mulher foi relatada em 2017 à revista The New Yorker.

Em comunicado, Carrie Goldberg, advogada de Lucia Evans, afirmou que a decisão do juiz “não invalida a veracidade da queixa” da alegada vítima e só revela que “o sistema precisa de ser mudado”.

Na audiência, os advogados tencionavam convencer o juiz a desistir das acusações contra o produtor norte-americano, mas mantém-se a acusação sobre dois outros casos, que remontam a 2006 e 2013.

Harvey Weinstein, 66 anos, está acusado de ter violado uma mulher em 2013 e de tentado forçar um ato sexual com outra mulher em 2006. O produtor norte-americano, que se declara inocente, entregou-se no passado dia 25 de maio às autoridades em Nova Iorque, no âmbito de uma investigação judicial sobre agressões e abuso sexual, tendo saído em liberdade com pulseira eletrónica, depois de pagar uma caução de um milhão de dólares (864 mil euros).

No total, mais de uma centena de mulheres testemunhou que o produtor de Hollywood tinha abusado sexualmente delas, um escândalo que desencadeou a campanha #Time’sUp, que levou à queda de centenas de homens em lugares de poder de numerosos setores.

Depois das primeiras denúncias, em outubro passado, Harvey Weinstein foi afastado da empresa norte-americana Weinstein Company, que cofundou, e banido de várias associações, nomeadamente da Academia de Cinema dos Estados Unidos, que atribui os Óscares.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crimes Sexuais

Este país não é para mulheres /premium

Maria João Marques
1.613

Em 2018 parece que já nada é possível. Nesta semana aprendi que consentir sexualmente é entrar num quarto com um homem (mesmo numa suite com ampla zona social) ou dançar com ele numa discoteca.

Crimes Sexuais

Ronaldo acima do bem e do mal /premium

Alexandre Homem Cristo
1.011

O que é detestável no #MeToo é exactamente o mesmo vício que é detestável na rejeição liminar das acusações de abusos sexuais que ídolos nacionais são alvo: a indiferença pelos factos e pela verdade.

Eleições no Brasil

O solipsismo colectivo /premium

Paulo Tunhas

Os missionários de esquerda vivem isolados do mundo numa bolha que generosamente lhes permite uma espécie de solipsismo colectivo. Só eles, como um todo, existem, só eles são dotados de alma.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)