Leiria

Marinha Grande já plantou cerca de 40 mil árvores no Pinhal de Leiria

1.246

O Município da Marinha Grande já plantou cerca de 40 mil árvores no Pinhal de Leiria, depois do incêndio que consumiu mais de 80% da Mata Nacional, nos dias 15 e 16 de outubro de 2017.

NUNO ANDRE FERREIRA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O Município da Marinha Grande já plantou cerca de 40 mil árvores no Pinhal de Leiria, depois do incêndio que consumiu mais de 80% da Mata Nacional, nos dias 15 e 16 de outubro de 2017. Um ano depois do fogo, a presidente do Município da Marinha Grande, Cidália Ferreira, afirmou à agência Lusa que assim tomou posse assumiu o compromisso de fazer a plantação de pinheiros em igual número ao de habitantes do concelho: “Aproximadamente 40.000 árvores”.

“Essa ação de reflorestação aconteceu em março, a que se juntaram outras tantas árvores oferecidas pela cidade de Fontenay-Sous-Bois, com quem é geminada a Marinha Grande. Além disso, a Câmara Municipal acompanhou e colaborou com diversas entidades e empresas, do setor público e privado, que quiseram associar-se, no âmbito da sua responsabilidade social, a esse gesto de reflorestação do Pinhal do Rei”, adiantou.

No entanto, admitiu que a “área já replantada é insignificante face à dimensão da área ardida”, pelo que considerou que “há ainda um longo caminho a percorrer”. Recordando que durante o verão não se podem fazer plantações, a autarquia afirma que já foi contactada por algumas entidades para novamente prestar colaboração quando for possível retomar as plantações, interrompidas durante a época do tempo seco.

“A responsabilidade primeira da reflorestação do Pinhal do Rei é do ICNF, enquanto entidade pública que faz a gestão desta Mata Nacional. Apesar de mantermos uma relação institucional saudável, e acompanharmos algum do seu trabalho, a verdade é que não temos conhecimento de todo o trabalho realizado”, sublinhou.

O Município da Marinha Grande compreende “alguma insatisfação generalizada por parte da população e de alguns grupos mais ativistas”, por não ser visível a reflorestação, mas constatou que as “pressas dão em devagar, por vezes, e, no caso, podem dar em erros que se podem vir a pagar caro no futuro”.

“Confiamos que o trabalho que o ICNF está a fazer acautela o futuro do Pinhal do Rei, corrigindo erros do passado e implementando novas estratégias de defesa deste Património Natural e Ambiental essencial ao equilíbrio e ao desenvolvimento do território”, frisou.

Parte dos danos causados em equipamentos e infraestruturas municipais já foram recuperados, mas ainda decorrem “projetos e procedimentos” para concluir a reposição das estruturas afetadas.

“Em prejuízos diretos estimamos um valor aproximado de 700.000 euros. Mas há que somar a estes os prejuízos indiretos, nomeadamente aqueles que são causados pelo uso intensivo das nossas estradas para o transporte da madeira e deslocação de maquinaria pesada para as ações de limpeza e reflorestação”, revelou.

Segundo a responsável, “este é um prejuízo que tem também de ser forçosamente considerado”, por se tratar de “danos em pavimentos, calçadas e até mesmo em infraestruturas enterradas (redes de águas e saneamento)”.

Os incêndios que deflagraram em outubro de 2017 revelaram a falta de licenciamento em várias habitações e anexos da freguesia de Vieira de Leiria, pelo que, perante “constrangimentos legais inultrapassáveis, a Câmara afirmou estar impedida de poder atribuir subsídios para a sua reconstrução.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)