Aquecimento Global

Países europeus não devem depender das florestas para combater aquecimento global

Um estudo publicado esta quarta-feira na revista Nature indica que fazer uma gestão dos bosques europeus para baixar as temperaturas tem pouco impacto sobre o clima global.

FAZRY ISMAIL/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Os países europeus não devem depender demasiado das suas florestas para combaterem o aquecimento global, mas sim protegê-las do aumento da temperatura, defende um estudo publicado esta quarta-feira na revista Nature.

Os compromissos da União Europeia para 2030, no âmbito do acordo de Paris sobre redução de emissões de gases com efeito de estufa, incluem o uso das florestas como “sumidouros de carbono”.

O estudo, realizado por investigadores do Centro de Investigação Ecológica e Aplicações Florestais da Universidade de Barcelona, indica que fazer uma gestão dos bosques europeus para baixar as temperaturas e melhorar a captura de dióxido de carbono tem pouco impacto sobre o clima global.

A investigadora Aude Valade, que participou neste estudo, recomenda fazer antes uma gestão florestal orientada para manter serviços ambientais, ecológicos, sociais e culturais proporcionados pelas florestas.

Os investigadores melhoraram um modelo matemático para calcular a quantidade de carbono, energia e água que é aprisionada ou libertada de acordo com o tipo de gestão florestal, compararam três estratégias de gestão florestal que representam as diferentes visões adotadas para mitigar as alterações climáticas na Europa e concluíram que “nenhuma opção permite suster a mudança climática, maximizar o sequestro de carbono, aumentar a luz solar que as florestas refletem para o espaço e reduzir a temperatura da superfície”.

O estudo defende que a gestão florestal sustentável fornece alguns benefícios climáticos, mas modestos e locais, e, por isso, os autores sugerem que a gestão florestal na Europa nas próximas décadas não deve ter como prioridade os efeitos sobre o clima, mas a adaptação de florestas às mudanças climáticas, para que possam continuar a fornecer serviços e bens ecológicos, sociais e culturais.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Os meninos à roda da propaganda /premium

Helena Matos
2.321

O menino que em 2012 chorava porque a mãe não tinha dinheiro para comprar bolachas agora quer salvar o planeta. O que mudou? A cor política do Governo. As bolachas essas continuam iguais. 

Astrofísica

Buracos negros e a ciência de dados

Manuel Loureiro
100

Os métodos e os algoritmos da ciência de dados aplicados neste empreendimento fantástico são os mesmos que usamos quando pretendemos segmentar mercados, prever saldos bancários ou planear a produção.

Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)