Exploração Espacial

Rússia suspende todos os voos tripulados para o espaço após acidente com foguetão Soyuz

Roscosmos não vai fazer voos tripulados enquanto decorre a investigação ao acidente com um foguetão Soyuz. Foi a primeira vez que uma missão tripulada não conseguiu chegar à Estação Espacial.

Astronauta Nick Hague prestes a entrar no Soyuz que o levaria na sua primeira missão tripulada à Estação Espacial Internacional

AFP/Getty Images

O governo russo vai suspender todos os voos tripulados para o espaço da agência espacial Roscosmos depois de um problema no propulsor de um foguetão Soyuz ter obrigado o astronauta Nick Hague da NASA e o cosmonauta Alexey Ovchinin a regressarem a Terra pouco depois de ter descolado do Cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão. A decisão foi anunciada por Yuri Borisov, vice-primeiro ministro da Rússia, depois de o diretor-geral da Roscosmos ter oficializado que vai abrir uma investigação ao que aconteceu à missão espacial abortada esta manhã.

Quando o primeiro estágio e o segundo estágio do Soyuz se separaram, o cosmonauta Alexey Ovchinin descreveu “uma sensação de ausência de peso”. Foi então que a falha foi detetada: essa sensação sugere que os propulsores do segundo estágio não estão a funcionar — indicando problemas no motor.  A Roscosmos não confirma a origem da falha nem dá mais informações sobre os erros detetados. Diz apenas que o segundo dos três estágios que compõem o foguetão Soyuz “sofreu uma falha não especificada”.

Esta foi a primeira vez que uma missão tripulada não conseguiu chegar à Estação Espacial Internacional. Aliás, em toda a história das missões tripuladas do programa espacial russo só foram registadas duas falhas: a desta quinta-feira e uma que aconteceu em setembro de 1983, quando um foguete Soyuz explodiu na plataforma de lançamento com dois cosmonautas a bordo. Os dois cosmonautas, Vladimir Titov e Gennady Strekalov, conseguiram ejetar-se e sobreviveram sem ferimentos.

Quanto ao que aconteceu esta manhã, apesar dos erros no funcionamento do foguetão Soyuz, os sistemas de salvamento da tripulação resultaram, garantiu o vice-primeiro-ministro: a cápsula da Soyuz foi automaticamente descartada e desligada do propulsor quando ele falhou 123 segundos após o lançamento. Nick Hague e Alexey Ovchinin regressaram à Terra dentro de uma cápsula do foguetão Soyuz através de um percurso quase a pique em modo balístico, acionado em casos de emergência, e foram submetidos a uma força equivalente a entre seis e sete vezes a força gravítica sentida em terra.

A cápsula aterrou a 20 quilómetros de Dzhezkazgan, uma cidade do Cazaquistão, e pouco depois os astronautas foram acudidos por uma equipa de busca e salvamento destacada para esta missão. Primeiro foram submetidos a exames médicos, que confirmaram que estavam bem, mas depois foram levados novamente para Baikonur. Jim Bridenstine, administrador da NASA, já veio confirmar que Nick Hague e Alexey Ovchinin vão depois ser enviados para o Centro de Treinos do Cosmonauta Gagarine em Cidade das Estrelas, uma área do programa espacial russo e de acesso altamente restrito que fica a nordeste de Moscovo, onde os cosmonautas são treinados desde os anos 60 para serem enviados para o espaço.

O momento em que o Soyuz MS10 levantou voo no Cosmódromo de Baikonur. Créditos: KIRILL KUDRYAVTSEV/AFP/Getty Images

Nos últimos tempos, apesar da eficácia da Roscosmos em levar tripulação e carga útil para a Estação Espacial Internacional, os foguetões Soyuz têm levantado algumas dúvidas em termos de segurança. Em 2016 foram encontradas falhas nessas aeronaves do tempo soviético, mas a responsabilidade foi atirada para a fabricante Voronezh. Essas falhas obrigaram a Roscosmos a levar 70 foguetões para as oficinas para substituir as peças defeituosas, o que afetou o envio de satélites para o espaço.

Em agosto deste ano, as atenções também se viraram para a Roscosmos quando um buraco com dois milímetros de diâmetro provavelmente feito com uma broca provocou uma fuga de ar na parte russa da Estação Espacial Internacional. O buraco foi entretanto remediado pelos astronautas a bordo do laboratório espacial, mas ainda não há conclusões sobre o quê ou quem pode ter aberto esse buraco.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)