Comissão Europeia

Socialista Frans Timmermans candidato à sucessão de Juncker na Comissão Europeia

Timmermans, vice-presidente da Comissão Europeia desde 2014 e ex-ministro dos Negócios Estrangeiros holandês (2012-2014), precisou que espera ser o candidato escolhido pelo Partido Socialista Europeu.

PATRICK SEEGER/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O socialista holandês Frans Timmermans anunciou na quarta-feira à noite que quer ser o candidato dos sociais-democratas europeus à presidência da Comissão Europeia, nas eleições europeias de maio próximo.

Timmermans, vice-presidente da Comissão Europeia desde 2014 e ex-ministro dos Negócios Estrangeiros holandês (2012-2014), precisou que espera ser o candidato escolhido pelo Partido Socialista Europeu (PSE). “Quero ser o candidato dos socialistas e democratas para ser o seu cabeça-de-lista às eleições europeias e tornar-me o próximo presidente da Comissão Europeia”, disse à imprensa na sua cidade natal de Heerlen, no sul da Holanda.

Mesmo que seja escolhido como candidato do PSE, Timmermmans, 57 anos, vai ter dificuldade em suceder a Jean-Claude Juncker, porque não parece neste momento provável que o grupo socialista vença as europeias de maio de 2019.

O cargo de presidente da Comissão Europeia deve acabar por ser para um político do centro-direita, membro do Partido Popular Europeu (PPE), que deverá ser o maior grupo político no Parlamento Europeu.

Até ao momento, são candidatos à nomeação pelo centro-direita o alemão Manfred Weber, líder do grupo parlamentar do PPE no Parlamento Europeu, e o ex-primeiro-ministro finlandês, Alexander Stubb. Michel Barnier, o principal negociador europeu para o ‘Brexit’, anunciou em setembro que não é candidato à nomeação.

Do lado dos socialistas, o ex-chanceler austríaco Christian Kern, que há um mês tinha mostrado disponibilidade para a corrida à nomeação, acabou por anunciar no sábado que abandona a vida política. Na corrida, além de Timmermans, está até ao momento o comissário europeu da Energia, o eslovaco Maros Sefcovic. Os socialistas europeus deverão anunciar o seu candidato à presidência da Comissão Europeia no Congresso previsto para dezembro em Lisboa.

Cabe ao Conselho Europeu, compostos pelos chefes de Estado e de Governo dos países da União Europeia (UE), designar um candidato à presidência da Comissão, o qual se submete depois a votação no Parlamento Europeu.

O Tratado de Lisboa determina que o resultado das eleições europeias seja tido em conta na escolha do próximo presidente da Comissão Europeia, mas o Conselho não é legalmente obrigado a fazê-lo. A escolha de candidatos pelos grupos políticos ocorreu pela primeira vez nas eleições europeias de 2014, em que Jean-Claude Juncker, candidato pelo PPE, sucedeu a José Manuel Durão Barroso.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Sentido e tradição /premium

Paulo Tunhas

À pala das “cativações” de Centeno, greves e demissões sucedem-se quase diariamente. Em poucos dias, a nova ministra da Saúde já anda a fazer as mesmas tristes figuras a que nos habituámos no anterior

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)