“O Caderno Negro”

Este filme é o mais recente projecto inacabado do falecido Raúl Ruiz a ser concluído pela sua viúva e colaboradora, Valeria Sarmiento, e adapta livremente a obra de Camilo Castelo Branco “Livro Negro de Padre Dinis”, uma continuação de “Mistérios de Lisboa”, que Ruiz filmou em 2010. Não admira que “O Caderno Negro” pareça uma versão em miniatura, mais modesta e curta, de “Mistérios de Lisboa” (o argumentista, Carlos Saboga, é o mesmo, tal como o produtor, Paulo Branco) tendo a história exactamente as mesmas características saborosamente folhetinescas e camilianas: peripécias em série, revelações surpreendentes, situações dramáticas e muitas personagens misteriosas, pitorescas, bondosas e maléficas. Até Napoleão Bonaparte aparece a certa altura. A angélica mas carnal Lou de Laâge interpreta o papel principal, o da devotada ama de um rapazinho órfão que acaba por descobrir que é quem nunca pensaria ser.

“A Aparição”

O monocórdico Vincent Lindon interpreta, neste filme de Xavier Giannoli, um respeitado jornalista, Jacques Mayano, convidado pelo Vaticano para fazer parte da comissão de inquérito canónica que vai investigar uma rapariga que diz que a Virgem lhe apareceu, e em redor da qual já se ergueu o circo de adesão em massa de fiéis, mediático e de “marketing” habitual nestes casos. Mayano não é crente, embora não seja hostil à religião, e é-lhe pedido que aplique os métodos do trabalho jornalístico ao fenómeno e separe os factos da mistificação e da (auto)-ilusão. Esta história em que o sobrenatural é posto à prova pelo racional, acaba por se transformar num “thriller”, com um cadáver, acontecimentos suspeitos, testemunhos contraditórios, pessoas desaparecidas e pistas intrigantes. Só que Giannoli estraga tudo com um “twist” final rebuscado e que ainda por cima vai totalmente a contrapelo da doutrina católica. E tivemos nós tanta fé em “A Aparição” até lá…

“Assim Nasce Uma Estrela

Depois do filme original de 1937 realizado por William Wellman, e dos “remakes” de George Cukor em 1954 e Frank Pierson em 1976 (este transferindo a história do mundo do cinema para o da música), eis a nova versão da velha história da jovem talentosa e ambiciosa que chega ao mundo do espectáculo e é ajudada na sua subida fulgurante por um colega mais velho e em trajectória descendente, com o qual se envolve. O enredo continua situado no mundo da música, Bradley Cooper realiza e interpreta o principal papel masculino, um “rocker” decadente, enquanto que Lady Gaga, sucedendo na personagem a Janet Gaynor, Judy Garland e Barbra Streisand, personifica a criada de hotel com assombrosos dotes vocais e de composição, pela qual aquele se apaixona, protege e lança. “Assim Nasce Uma Estrela” foi escolhido como filme da semana pelo Observador, e pode ler a crítica aqui.