Donald Trump

Trump diz que banco central dos EUA tem sido “demasiado agressivo”

Em declarações ao programa matinal "Fox and Friends", Trump disse que quer que a Reserva Federal (Fed) "seja menos agressiva" porque está a cometer "um grande erro".

SHAWN THEW/EPA

O banco central norte-americano é “demasiado agressivo” na forma como está a ajustar a política monetária nos Estados Unidos, afirmou esta quinta-feira de novo o presidente norte-americano, Donald Trump.

Em declarações ao programa matinal “Fox and Friends”, Trump disse que quer que a Reserva Federal (Fed) “seja menos agressiva” porque está a cometer “um grande erro”.

Já na quarta-feira à noite o presidente norte-americano tinha deixado críticas ao banco central após a forte queda registada na bolsa de Nova Iorque. “A Fed está a cometer um erro. Creio que a Fed enlouqueceu”, disse Trump aos jornalistas em Erie, no estado da Pensilvânia, antes de realizar um comício.

Depois destas declarações o principal conselheiro económico de Trump, Larry Kudlow, explicou no canal televisivo CNBC que o presidente “não dita a política da Fed”. “Sabemos que a Fed é independente”, sublinhou Kudlow, acrescentando que considera que o que ocorreu na quarta-feira foi “uma correção normal num mercado que tem estado em alta”.

A bolsa nova-iorquina encerrou a sessão de quarta-feira com fortes e generalizadas baixas, na sua pior sessão em oito meses. Os três índices de referência perderam mais de 3%. A queda foi atribuída a uma derrocada no setor tecnológico num contexto de forte subida das taxas de juro.

O rendimento das obrigações norte-americanas registou um aumento inesperado na semana passada, após declarações do presidente do banco central, Jerome Powell, sugerindo que a instituição vai continuar a subida gradual das suas taxas de juro de referência para evitar um sobreaquecimento da economia, que se tem mostrado particularmente dinâmica.

No final de setembro, a Reserva Federal decidiu subir as taxas de juro em 25 pontos base, o terceiro aumento desde o início do ano. A taxa dos fundos federais passou a ficar entre 2% e 2,25%, o nível mais elevado em 10 anos.

Pela primeira vez desde 2011, a Fed deixou de referir-se à sua política monetária como sendo “acomodatícia”, sinónimo de uma política monetária com taxas de juro baixas para apoiar a recuperação económica. A Fed prevê ainda aumentar as taxas mais uma vez em 2018 e três vezes em 2019.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Donald Trump

Ódio a quem os desmascara

José Mendonça da Cruz
897

Porquê esta sanha dos instalados do socialismo, dos fraturantes das margens, do jornalismo de causas contra Orban, Trump, Salvini, Bolsonaro?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)