Quarenta e sete anos depois de ter ajudado John Lennon a escrever aquele que foi o seu maior êxito a solo, Yoko Ono lançou uma nova versão de “Imagine”. A mulher do elemento mais mediático dos Beatles integrou o novo arranjo da música de 1971 no seu novo álbum, “Warzone”, e atrasou a entrada dos famosos acordes de piano, cantando grande parte das estrofes por cima de um suave som ambiente.

Yoko Ono, de 85 anos, só recebeu crédito pela co-autoria de “Imagine” em 2017: até aí, a composição da música era atribuída apenas a John Lennon. Mas a verdade é que a estrutura central da letra da canção, composta por uma série de cenários utópicos, foi inspirada pela obra de poesia “Grapefruit” de Ono. Os poemas da artista japonesa incluíam versos como “imagina a tua cabeça cheia de pontas de lápis de carvão/imagina uma delas partida”, e o próprio Lennon admitiu em 1980, ano em que foi assassinado e nove anos após o lançamento de “Imagine”, que Yoko Ono contribuiu muito para a composição da música. “Muito dela – a letra e o conceito – veio da Yoko. Mas naqueles dias eu era um pouco mais egoísta, um pouco mais macho, e omiti a menção da contribuição dela. Mas veio tudo do ‘Grapefruit’, o livro dela”, confessou o músico britânico em entrevista.

O álbum “Warzone”, que chega às lojas até ao final do ano, é composto por novas versões de várias músicas que Yoko Ono compôs entre 1970 e 2009. Desde aí, a japonesa mantém uma carreira na arte visual e conceptual, tendo lançado a primeira exposição permanente, “Skylanding”, em 2016, e teve ainda uma participação no filme “Isle of Dogs”, do realizador Wes Anderson.