Música

Yoko Ono lançou uma nova versão de “Imagine”, a música que ajudou John Lennon a escrever em 1971

A artista japonesa, mulher de John Lennon, lançou uma nova versão de "Imagine", a música que ajudou a escrever em 1971. Yoko Ono só recebeu crédito pela composição em 2017.

Yoko Ono tem 85 anos e é mãe do filho mais novo de John Lennon, Sean Lennon

Getty Images

Quarenta e sete anos depois de ter ajudado John Lennon a escrever aquele que foi o seu maior êxito a solo, Yoko Ono lançou uma nova versão de “Imagine”. A mulher do elemento mais mediático dos Beatles integrou o novo arranjo da música de 1971 no seu novo álbum, “Warzone”, e atrasou a entrada dos famosos acordes de piano, cantando grande parte das estrofes por cima de um suave som ambiente.

Yoko Ono, de 85 anos, só recebeu crédito pela co-autoria de “Imagine” em 2017: até aí, a composição da música era atribuída apenas a John Lennon. Mas a verdade é que a estrutura central da letra da canção, composta por uma série de cenários utópicos, foi inspirada pela obra de poesia “Grapefruit” de Ono. Os poemas da artista japonesa incluíam versos como “imagina a tua cabeça cheia de pontas de lápis de carvão/imagina uma delas partida”, e o próprio Lennon admitiu em 1980, ano em que foi assassinado e nove anos após o lançamento de “Imagine”, que Yoko Ono contribuiu muito para a composição da música. “Muito dela – a letra e o conceito – veio da Yoko. Mas naqueles dias eu era um pouco mais egoísta, um pouco mais macho, e omiti a menção da contribuição dela. Mas veio tudo do ‘Grapefruit’, o livro dela”, confessou o músico britânico em entrevista.

O álbum “Warzone”, que chega às lojas até ao final do ano, é composto por novas versões de várias músicas que Yoko Ono compôs entre 1970 e 2009. Desde aí, a japonesa mantém uma carreira na arte visual e conceptual, tendo lançado a primeira exposição permanente, “Skylanding”, em 2016, e teve ainda uma participação no filme “Isle of Dogs”, do realizador Wes Anderson.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt
PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)