Ensino Superior

Mais de 45 mil alunos colocados no ensino superior. 10% das vagas ficaram vazias

777 estudantes ficaram colocados na 3.ª fase de acesso ao Ensino Superior. Depois das três fases de acesso, ficaram colocados 45.313 alunos, menos 1.231 do que no ano passado.

Depois das três fases de acesso ao Ensino Superior, sobraram ainda 3.468 vagas

LUSA

Com a conclusão da última fase de acesso ao Ensino Superior, foram admitidos 45.313 estudantes no ensino superior público no conjunto das três janelas de candidaturas – menos 1.231 do que no ano passado -, com 60% destes alunos a ser colocados no ensino universitário e 40% no ensino politécnico, mantendo assim um padrão já verificado no ano passado. Na soma de todas as fases de acesso, foram preenchidas 89,1% das vagas colocadas a concurso e a percentagem de colocados no ensino superior público em relação ao número de alunos inscritos nos exames nacionais do 12.º ano subiu de 51% – em 2016 e 2017 – para 52%.

777 estudantes que se candidataram a uma vaga no Ensino Superior na 3.ª e última fase de acesso conseguiram ficar colocados. Dos 3.249 alunos que se inscreveram na última fase de acesso ao Ensino Superior, ficaram colocados 1.385, sendo que 777 não estavam colocados anteriormente e 608 já tinham sido colocados nas fases anteriores e foram agora recolocados. Entre os estudantes colocados nesta 3.ª fase de acesso, 380 ficaram no ensino universitário, enquanto que 397 ficaram no ensino superior politécnico. Sobraram ainda 3.468 vagas e os dados individuais podem ser consultados no site da DGES.

Depois do fim da 3.ª fase de acesso, os números revelam um aumento do número de estudantes colocados face a 2017 em dez instituições do ensino superior e as instituições fora de Lisboa e Porto representam agora 52% do total de alunos colocados, mais um ponto percentual do que no ano passado.

O corte de vagas em Lisboa e no Porto foi uma decisão polémica do atual ministro que tem como principal objetivo levar mais alunos para as instituições do interior. No entanto, as universidades e politécnicos do Litoral não foram afetados pelos cortes — como pediam os presidentes dos politécnicos — e acabaram por ser estes os mais beneficiados na sequência dos cortes de 5% nas duas maiores cidades do país.

Média mais alta: 195,5 valores

Na segunda e terceira fase do concurso de acesso ao Ensino Superior é divulgado um dado que não é conhecido na primeira: a nota do primeiro colocado. Nos números nacionais da 1.ª fase, apenas se sabe qual a nota do último estudante que conseguiu garantir lugar em determinado curso, ou seja, quando se fala das médias mais altas de entrada está-se a olhar, na verdade, para as notas mais baixas de entrada naquele curso.

Na 1.ª fase, esse valor era de 189,4 e era simultaneamente a nota do último e do único colocado no curso de Engenharia Civil (lecionado em inglês) na Faculdade de Ciências Exatas e da Engenharia. Emanuel Baptista foi o aluno luso-venezuelano que pôs a Universidade da Madeira no topo da lista das médias. Se houvesse mais alunos colocados na 1.ª fase, o mais provável era que a última nota de ingresso fosse mais baixa que a de Emanuel, o que retiraria a medalha de ouro àquele curso.

Na 2.ª fase, e olhando para a nota dos primeiros colocados, a mais alta é um 200,0 no curso de Engenharia Biomédica e Biofísica na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Finalmente, nesta 3.ª fase, a nota mais alta de entrada foi um 195,5 no curso de Engenharia Aeroespacial no Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa. Aqui, ficaram colocados dois alunos nesta terceira fase.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt
África do sul

África do Sul – Que Futuro?

Jaime Nogueira Pinto

Em vésperas de eleições, a República da África do Sul vive dias instáveis, entre a democracia e a cleptocracia. E radicalização de um ANC em quebra eleitoral pode por em causa os equilíbrios do regime

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
364

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)