Espanha

Criança de 10 anos sobrevive a caso de meningite amebiana primária

139

Uma criança de 10 anos sobreviveu a um caso de meningite amebiana primária. É a primeira vez que há registo de um destes casos em Espanha. Doença tem uma taxa de mortalidade de 97%.

AFP/Getty Images

Uma criança de 10 anos, de Toledo, conseguiu recuperar de uma meningite amebiana primária (MAP), uma doença rara e com uma taxa de mortalidade de 97%, de em que há apenas uma dúzia de sobreviventes no mundo. Este foi o primeiro caso do género registado em Espanha.

O caso foi descoberto em março deste ano, quando a menina se deslocou ao Hospital Virgen de la Salud de Toledo queixando-se de dores de cabeça fortes, febre e rigidez do pescoço, sintomas próprios da doença.

Mas não foi fácil chegar ao diagnóstico. Os primeiros exames descartaram as hipóteses de origem viral ou bacteriana, pelo que os médicos tiveram o desafio de identificar uma patologia desconhecida até então em Espanha. Com o acompanhamento do Centro Nacional de Microbiologia (CNM) e do Instituto Universitário de Doenças Tropicais e Saúde Pública das Canárias, da Universidade de La Laguna, e após realização de vários testes e de um acompanhamento da rotina da criança chegaram a conclusões exatas. ”São provas muito complexas, que requerem amostras adequadas com amebas viáveis, experiência neste tipo de culturas, provas moleculares… Foi a primeira vez que identificámos a Naegleria fowleri em humanos e foi um desafio”, explicou Isabel Fuentes Corripio, chefe de unidade no CNM ao El País.

Durante a sua estadia no hospital, o tratamento foi efetuado com antiparasitários administrados por via intravenosa – que vai diretamente ao cérebro – já que nestes casos não é suficiente a aplicação de antibióticos, contou Manuel Tordera, diretor geral do Departamento de Saúde Pública da Junta de Comunidades de Castilha. Para ele, ”a equipa médica atuou com rapidez e o  tratamento chegou ao sítio exato”,  neste caso o sistema nasal, já que é através do nervo olfatório que a ameba é conduzida e ataca a meninge e o encéfalo. O hospital recusou prestar mais esclarecimentos já que as investigações continuam em curso e a menor continua a ser vigiada devido a possibilidade de efeitos secundários.

O lugar de contágio

Depois de detetada a doença era fundamental conhecer o local de contágio, cuja vida deste parasita, vulgarmente conhecido como ameba come-cérebros, oscila entre 2 a 5 dias em águas doces. Assim, em junho, a equipa seguiu todos os lugares frequentados pela menina e chegou até à piscina de Torrijos, local que frequentava todas as semanas.

A partir daí foram retiradas amostras da água para análise e foi descoberta a presença do parasita . Mas o caso casou estranheza na equipa médica já que os níveis de cloro da piscina estavam de acordo com os estipulados pela normativa de Castilha – estabelece que a água das piscinas de uso púbico devem estar entre os 24 e os 30 graus e os níveis de cloro de 0,5 a 2ppm. A partir daí a Junta deu ordem de fecho da piscina, o seu esvaziamento  e solicitou que os filtros fossem limpos.

De acordo com o jornal espanhol ABC, já voltaram a encher a água da piscina e aumentaram os níveis de cloro, mas mesmo assim, o polo desportivo ainda não voltou a reabrir.

Recorde-se que em fevereiro deste ano uma criança argentina de 8 anos morreu devido a esta doença.

Este tipo de infeção é mais frequente em países em países como o Paquistão, onde a prática das purificações dentro de água é recorrente e, por isso, potencia o contágio através das fossas nasais.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Moçambique

A extradição de Chang e o futuro da Frelimo

Manuel Matola

Apesar da complexidade do caso e da gravidade das acusações contra Manuel Chang, uma eventual extradição para Moçambique garantiria de que o processo-crime que corre em Maputo teria uma morte natural.

África do sul

África do Sul – Que Futuro?

Jaime Nogueira Pinto

Em vésperas de eleições, a República da África do Sul vive dias instáveis, entre a democracia e a cleptocracia. E radicalização de um ANC em quebra eleitoral pode por em causa os equilíbrios do regime

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
364

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)