Rádio Observador

Ébola

Ébola já matou 125 dos 200 infetados até agora na República Democrática do Congo

Segundo a OMS, a febre hemorrágica já matou 125 pessoas. O surto de Ébola foi declarado no dia 1 de agosto nas províncias de Kivu do Norte e de Ituri, no norte da República Democrática do Congo.

UNICEF/MARK NAFTALIN HANDOUT/EPA

A Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou esta sexta-feira que o número de casos de Ébola registados na República Democrática do Congo chegou a 200, tendo 125 destes morrido devido à febre hemorrágica.

O surto teve origem na província de Kivu do Norte e nas últimas três semanas concentrou-se em Beni, uma das três principais cidades da região, e de onde são oriundos 82% dos novos casos, indicou à Efe o porta-voz da organização, Tarik Jasarevic.

Na última semana, as autoridades identificaram 35 pessoas infetadas, 29 das quais residentes em Beni. A situação leva a que a OMS esteja a considerar concentrar os seus esforços para aquela zona.

O porta-voz recordou que uma das principais razões para a expansão do vírus naquela cidade do leste da República Democrática do Congo é a insegurança.

Kivu do Norte, tal como as províncias vizinhas, é cenário de um conflito armado entre as forças governamentais e várias fações rebeldes armadas.

Um ataque recente que matou vários civis levou a OMS a suspender temporariamente as atividades de vigilância epidemiológica e acompanhamento de pessoas que contactaram com infetados.

“Os ataques não são direcionados para os trabalhadores que lutam contra o Ébola, mas não permitem que as equipas funcionem em toda a sua capacidade”, explicou Jasarevic.

Parte da população daquela zona tem mostrado confiança e relutância em seguir as recomendações da OMS para conter a transmissão do Ébola, seja por consequência dos anos de conflito ou por crenças locais.

“Continuamos a ver casos de pessoas que primeiro visitam curandeiros, que combinam as medicinas modernas e tradicionais, e tardam em ir a centros de tratamento, o que torna mais difícil salvá-los”, salientou o porta-voz.

Para controlar este surto, 15 mil pessoas – incluindo pessoal da área da saúde – foram vacinadas contra o Ébola e são seguidas oito mil pessoas que entraram em contacto com infetados com o vírus da febre hemorrágica.

O surto de Ébola foi declarado no dia 1 de agosto nas províncias de Kivu do Norte e de Ituri, no norte da República Democrática do Congo.

Trata-se do segundo surto declarado em 2018, oito dias depois de o ministro da Saúde, Oly Ilunga, ter declarado o fim da epidemia que se registou anteriormente, no oeste da República Democrática do Congo.

O vírus do Ébola é transmitido por contacto direto com o sangue e fluidos corporais de pessoas ou animais infetados, causando hemorragia grave e tem uma taxa de mortalidade de 90%.

A pior epidemia desta doença conhecida no mundo foi declarada em março de 2014, com os primeiros casos que remontam a dezembro de 2013 na Guiné Conacri e que, posteriormente, se expandiu para Serra Leoa e Libéria.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) sinalizou o fim da epidemia em janeiro de 2016, depois de registar 11.300 mortes e mais de 28.500 casos, embora a agência da ONU tenha admitido que estes números podem ser conservadores diante da situação encontrada naqueles países africanos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ambiente

Feiticeiros ou profetas: conservar ou modernizar?

Tomas Roquette Tenreiro

É o confronto de duas perspectivas - a optimista e a pessimista - sobre como salvar o nosso planeta. A visão de feiticeiros e profetas através da história de dois deles, Norman Borlaug e William Vogt.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)