Futebol

Marco Gonçalves, ex-jogador do Canelas, confessou ter agredido árbitro com uma joelhada no nariz

Marco Gonçalves, o ex-jogador do Canelas 2010 que em 2017 agrediu um árbitro com uma joelhada no nariz, confessou a agressão. O árbitro exige uma indemnização de 32 mil euros.

Os dirigentes do Canelas 2010 garantiram depois do incidente que Marco Gonçalves não voltaria a representar o clube

Ricardo Castelo/Observador

Marco Gonçalves, também conhecido como Marco Orelhas, confessou esta sexta-feira ter agredido o árbitro José Rodrigues durante um Rio Tinto-Canelas 2010, a contar para a fase de subida do Campeonato Distrital do Porto, em abril de 2017. Na altura, o jogo foi interrompido logo aos dois minutos depois do jogador do Canelas 2010 ter agredido José Rodrigues com uma joelhada no nariz, em resposta a um cartão vermelho direto mostrado pelo árbitro.

Ao ser ouvido no Tribunal de Gondomar, Marco Gonçalves afirmou: “Fiz o que não devia ter feito. Não consigo explicar, nada explica uma agressão”. O ex-jogador do Canelas 2010 acrescentou ainda que está “arrependido” mas não esclareceu as expressões intimidatórias da integridade física do árbitro alegadamente proferidas já no túnel de acesso aos balneários que também constam do processo. “A partir daí [da agressão] bloqueei completamente”, explicou Marco Gonçalves.

De acordo com a agência Lusa, algumas testemunhas oculares que também foram chamadas a prestar declarações no Tribunal de Gondomar garantiram não ter ouvido quaisquer ameaças ao árbitro – enquanto que outras garantiram a versão contrária. Uma das testemunhas que defende que Marco Gonçalves não ameaçou de forma alguma o árbitro José Rodrigues é o agente da PSP destacado para o jogo que, aliás, não referiu qualquer incidência no auto redigido na altura.

A próxima sessão do julgamento está marcada para 7 de novembro. Marco Gonçalves é acusado de um crime de ofensa à integridade física qualificada e outro de ameaça agravada. Segundo a acusação, o ex-jogador do Canelas 2010 agarrou José Rodrigues “pelo pescoço e para fazer uma ‘gravata'”, “puxou-lhe a cabeça e desferiu-lhe uma pancada com o joelho, atingindo-o na cara, especialmente no nariz”. Como consequência da agressão, o árbitro não trabalhou durante 60 dias.

Ainda de acordo com a acusação, enquanto José Rodrigues era assistido pelo massagista do Rio Tinto, Marco Gonçalves voltou a dirigir-se ao árbitro para o ameaçar. Na altura, o então jogador do Canelas 2010 foi suspenso por quatro anos e cinco meses pela Comissão de Disciplina da Associação de Futebol do Porto (AF Porto) e teve de pagar uma indemnização de 4.125 euros ao árbitro e uma outra à AF Porto, no valor de 20% daquele montante. Agora, José Rodrigues exige uma indemnização global de 32 mil euros.

O Canelas 2010, por sua vez, foi sancionado com a derrota no jogo com o Rio Tinto e teve ainda de pagar uma indemnização no valor de 1.605 euros à equipa adversária, mais 20% desse montante à AF Porto. Depois de tudo isto – e da história ter até chegado ao The New York Times – os dirigentes do Canelas 2010 garantiram que Marco Gonçalves não voltaria a representar o clube.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)