Nissan

Nissan mete-se em trabalhos com anúncio do Leaf

A Nissan, que produz em Inglaterra o seu Leaf eléctrico, anuncia conseguir 80% da carga em apenas 40 minutos. Três clientes queixaram-se e a autoridade que controla a publicidade obrigou à suspensão.

O Nissan Leaf é o melhor veículo eléctrico à venda na Europa, pelo menos para já, oferecendo uma relação espaço/sofisticação/potência e autonomia que o torna um adversário respeitado. Não é por isso de estranhar que seja o mais vendido no Velho Continente, com os clientes a apreciarem as suas qualidades.

Os Leaf comercializados em solo europeu são produzidos na fábrica inglesa da marca japonesa e, desde o início, que a Nissan sempre anunciou  que o seu modelo eléctrico era capaz de “atingir 80% de carga em apenas 40 minutos”. Ora, bastou que três clientes apresentassem uma queixa à Advertising Standards Authority (ASA), por não conseguiram atingir esta rapidez no abastecimento de electricidade do seu carro, para que a ASA obrigasse a Nissan a retirar o anúncio.

Afirma a ASA que a publicidade ao Leaf “pode ser enganadora” em relação à rapidez no carregamento do carro eléctrico japonês. Segundo a autoridade da publicidade, não são especificadas de forma evidente as limitações, por exemplo, em matéria do tipo de carga e da temperatura da bateria, que podem alterar a celeridade com que se recarrega o acumulador. Isto apesar de a marca mencionar esses factos julgados preponderantes pela ASA, como nota de rodapé no seu site.

Apesar de lamentar a atitude da ASA, a Nissan tratou de alterar o anúncio do Leaf, onde agora já se pode ler que os utilizadores do modelo “podem carregar de 20% a 80% em cerca de 60 minutos num posto de carga rápida”. Uma alteração importante, tanto em termos de capacidade como de tempo. Mas se pensou que o problema estaria resolvido, cometeu o mesmo erro da Nissan, que foi de novo surpreendida com nova proibição do anúncio, por ainda não revelar de forma clara o grau de variabilidade do tempo de recarga em determinadas condições.

É certo que ao contrário dos abastecimentos de gasolina ou gasóleo, o recarregar da bateria depende da temperatura ambiente e da própria bateria, mas sobretudo do tipo de carregador (potência) a que está ligada. Mais, a operação é mais lenta quando o acumulador está quase vazio, ou quando está próximo dos 100%, sendo substancialmente mais rápida nos 60% intermédios, o que leva os fabricantes a anunciarem a rapidez da carga até 80%, partindo do princípio que a bateria não deve estar vazia, tanto mais que isso não lhe faz bem à longevidade.

Dito isto, a Nissan anuncia os tempos de recarga da mesma forma dos seus concorrentes, e juntar mais dados ao cálculo do tempo nessa operação pode baralhar mais do ajudar. O ideal seria que um organismo oficial determinasse como devem ser obtidos os tempos de carregamento – e já agora os dados de consumo também –, pois com o incremento da concorrência e sendo estes dois factores decisivos neste tipo de veículos, podem surgir fabricantes dispostos a algumas habilidades para anunciar valores mais apetecíveis.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)