Volkswagen

Novas emissões de CO2 vão despedir 100.000, diz VW

Entre os fabricantes tradicionais, o Grupo VW é quem mais está a investir nos eléctricos. Porém, o seu CEO não gostou do “aperto” do CO2 e ameaça com desemprego. Segundo ele, mais de 100.000.

O CEO do Grupo VW, Herbert Diess, mostrou-se muito preocupado com o incremento na redução de CO2, de 30% para 35% em 2030, face aos valores em 2021, que o Conselho Europeu vai colocar a votação no Parlamento Europeu. Apesar da nova meta ser de apenas 35% por pressão da Alemanha, pois países havia que desejavam elevar a fasquia para 40 e até 45%, o líder da VW ameaça com a perda potencial de 100.000 postos de trabalho.

A posição de Herbert Diess é estranha e a vários níveis, um dos quais se prende com o facto de toda esta confusão ser devida ao Dieselgate, em que uns ex-dirigentes deste mesmo grupo, entretanto já afastados, resolveram equipar 11 milhões de veículos com software malicioso, destinado a enganar os sistema de medição de emissões. Mas se Diess nada tem a ver com o problema assumido pelo gigante alemão em 2015, lida diariamente com as autoridades de um país que mais tem pressionado a indústria automóvel (na Europa), e detido vários dos seus quadros, estando ainda a braços com os responsáveis de uma série de cidades – a última foi Belim, a capital –, que com o reforço dos tribunais, mais têm perseguido os motores antigos a gasóleo.

O que Diess contesta, é este “empurrar” da indústria rumo aos eléctricos antes de tempo, obrigando os fabricantes a produzir mais carros alimentados a bateria para reduzir mais rapidamente as emissões de CO2, que dependem directamente do consumo. Ora já se sabe há muito que os carros eléctricos têm muitas menos peças para produzir – os motores eléctricos são ridiculamente mais simples do que os a combustão interna e não necessitam de caixas de velocidades, bastando duas engrenagens a funcionar como redutoras –, sendo este o motivo que leva o CEO a prever a perda de 100.000 postos de trabalho. Ora, este anúncio em vésperas da votação da nova fasquia de 35%, pelos diferentes países no Parlamento Europeu só pode ter como objectivo assustar, especialmente os países que têm indústria automóvel. Ainda que todos os Estados que dependem grandemente desta indústria, à excepção da Alemanha (que ainda assim aceitou os 35%) se tenham batido por reduções de 40%.

O mais estranho na posição de Herbert Diess é que o seu Grupo VW é, de longe, o mais avançado na produção de veículos eléctricos, entre os construtores tradicionais. Ao contrário dos adversários directos de marcas como a VW, Audi, Seat, Skoda e Porsche, o grupo alemão investiu o dobro, se não o triplo, em fábricas para baterias, materiais para as produzir, plataformas específicas para veículos eléctricos e fábricas igualmente específicas para os produzir. Com isto adoptou a estratégia da Tesla – que não tinha alternativa, pois nunca produziu carros a gasolina ou diesel antes, mas podia ter adaptado a antiga fábrica que comprou à Toyota e montar aí os Model S e X, com custos muito inferiores – investindo muito mais, com o objectivo de conseguir custos unitários muito inferiores e, com isso, maximizar os lucros, quando eles começarem a chegar.

É pois estranho que esta imposição europeia dos 35% (a ser aprovada), que obviamente obriga a antecipar uma maior fabricação de carros eléctricos e que favorece o conglomerado germânico, seja contestada pelo mesmo grupo. É bom recordar ainda que a VW quer produzir 100.000 veículos eléctricos em 2020, o que não é um valor que impressione, mas pretende elevá-lo para 1 milhão em 2025, meta bem mais respeitável. E já em 2022, espera ter no mercado 27 veículos eléctricos, de todas as suas marcas, recorrendo à plataforma MEB que concebeu especificamente para carros a bateria.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt
Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Enfermeiros

Elogio da Enfermagem

Luís Coelho

Muitos pensam que um enfermeiro não passa de um "pseudo-médico" frustrado. Tomara que as "frustrações" fossem assim, deste modo de dar o corpo ao manifesto para que o corpo do "outro" possa prevalecer

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)