Indonésia

Presidente da Indonésia diz que guerras comerciais são “destrutivas”

O Presidente da Indonésia, Joko Widodo, alertou para as tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China, classificando as guerras comerciais como "convites para a destruição".

MADE NAGI/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O Presidente da Indonésia, Joko Widodo, alertou esta sexta-feira, durante os Encontros Anuais do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial, em Bali, para as tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China, classificando as guerras comerciais como “convites para a destruição”.

Para Joko Widodo Widodo, as disputas entre as duas grandes potências estão a causar enormes turbulências nos mercados financeiros, numa altura em que atenção mundial devia estar voltada para a desaceleração do crescimento económico.

As políticas fiscais e monetárias, o clima de incerteza económico e político, bem como as guerras comerciais, segundo Widodo, servem de cenário para as batalhas das maiores economias mundiais que devem aprender uma simples lição: “Não faz sentido celebrarmos a vitória no meio da destruição”.

Numa alusão à popular série de televisão “Guerra dos Tronos” , Widodo afirmou ainda que uma vitória será inútil num “mundo que se está a afundar”, reforçando que “em 2019, no ano que vem, vamos assistir ao final da temporada de “A Guerra dos Tronos” e tenho a certeza de que vai terminar com a seguinte lição moral: (…) a competição e a disputa vão ter um resultado trágico, não apenas para os perdedores, mas também para os vencedores”.

Em sintonia, a diretora-geral do FMI, na mesma sessão, defendeu a adoção de uma “abordagem cooperativa” seguida pela Associação de Nações do Sudeste Asiático que, sublinhou Christine Lagarde, “oferece lições importantes”.

Quando olhamos para o mundo de hoje, enfrentamos o desafio de uma nova paisagem económica, a duas dimensões: A primeira dimensão, mais familiar, inclui as camadas monetária, fiscal e financeira, as nossas interações económicas; a segunda dimensão, mais desafiadora, compreende desigualdade, tecnologia e sustentabilidade. Ambas as dimensões são ‘macro-críticas'”, explicou Lagarde.

Para a diretora-geral do FMI, “as políticas nacionais sólidas são, é claro, essenciais” para “lidar com esses problemas”, mas “navegar por esse novo cenário requer cooperação internacional, [uma] cooperação diferente do passado”.

Na terça-feira, o FMI publicou as novas projeções macroeconómicas, que apontam para uma redução na expansão da economia global (3,7% em 2018 e 2019), como consequência das dúvidas provocadas pelas tensões económicas entre Washington e Pequim.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Descobrimentos

Uma lança em África /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Neste tempo, em que muitos se orgulham do que os deveria envergonhar, também há quem se envergonhe das glórias da história de Portugal.

Política

Precisamos da Esquerda

António Pedro Barreiro

Na guerra cultural em curso, a nova Esquerda esqueceu o povo e assumiu a defesa da excentricidade das elites. Eu, que não sou de Esquerda, acho que uma outra Esquerda faz falta ao sistema político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)