Moçambique

Resultados eleitorais moçambicanos serão divulgados pelos órgãos locais

A divulgação dos resultados das eleições autárquicas em Moçambique deve começar a ser feita a partir de sexta-feira pelos órgãos eleitorais distritais e não na Internet.

AFP/Getty Images

Autor
  • Agência Lusa

A divulgação dos resultados das eleições autárquicas em Moçambique deve começar a ser feita a partir de sexta-feira pelos órgãos eleitorais distritais e não na Internet, disseram fontes oficiais à Lusa. O portal conjunto do Secretariado Técnico de Administração Eleitoral (STAE) e da Comissão Nacional de Eleições (CNE) onde começaram as ser divulgadas as contagens não mostra evolução nos municípios apurados desde quinta-feira.

No portal, mantém-se a informação de que estão processadas 21 das 53 autarquias, com a Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), partido no poder, a vencer em 20, perdendo numa delas, Chiure, para a Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), principal partido da oposição.

No entanto, outras contagens paralelas de plataformas de observação indicam que há mais autarquias apuradas e que a Frelimo, apesar de manter o domínio do mapa, deverá perder municípios para a Renamo. O porta-voz da CNE, Paulo Cuinica, disse hoje à Lusa que foi decidido que a divulgação dos resultados seguiria o formato regulamentado e idêntico ao de eleições anteriores, passando pelos órgãos de administração intermédia.

A atualização de contagens na Internet foi feita na manhã de quinta-feira até à divulgação dos resultados provisórios pelos órgãos nacionais da CNE e STAE, cabendo agora aos órgão a nível distrital promover a sua divulgação, acrescentou Cláudio Langa, porta-voz do STAE. Só depois os dados serão agregados na totalidade a nível nacional, o que se prevê que possa acontecer dentro de duas semanas, acrescentou outra fonte ligada ao processo.

A plataforma de observação Votar Moçambique considera que “a Renamo está em condições de ganhar dez ou mais municípios, o que seria um máximo histórico” e faria diminuir o domínio da Frelimo, que em 2013 só não venceu em quatro das 53 autarquias.

O Movimento Democrático de Moçambique (MDM) anunciou na quinta-feira vitória na cidade da Beira, uma das mais importantes de Moçambique – e onde o cabeça de lista, Daviz Simango se recandidatava para um quarto mandato. Contagens paralelas apontam para vantagem da Renamo em Nampula, principal cidade do norte, e Quelimane, capital provincial, e onde o principal partido da oposição já fez a festa, segundo a Agência de Informação de Moçambique (AIM). Da mesma forma, adivinha-se uma disputa cerrada entre Frelimo e Renamo no segundo maior município do país, Matola.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições no Brasil

O solipsismo colectivo /premium

Paulo Tunhas

Os missionários de esquerda vivem isolados do mundo numa bolha que generosamente lhes permite uma espécie de solipsismo colectivo. Só eles, como um todo, existem, só eles são dotados de alma.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)