Donald Trump

Trump defende continuação da venda de armas a Riade apesar de desaparecimento de jornalista

O Presidente dos Estados Unidos da América defendeu a continuação da venda de armas à Arábia Saudita, apesar da pressão dos congressistas para o reino ser punido.

MICHAEL REYNOLDS/EPA

O Presidente dos Estados Unidos da América defendeu na quinta-feira a continuação da venda de armas à Arábia Saudita, apesar da crescente pressão dos congressistas para o reino ser punido devido ao desaparecimento de um jornalista.

Com vários senadores a pressionarem a aplicação de sanções, com base numa lei de direitos humanos, e também a questionarem o apoio norte-americano à campanha de bombardeamento no Iémen, liderada pelos sauditas, Trump parece relutante em abalar uma relação que tem sido fundamental para a sua política externa no Médio Oriente.

Em particular, Donald Trump afirmou que suspender a venda de armas aos sauditas iria prejudicar a economia norte-americana.

“Não gosto de interromper quantidades massivas de dinheiro que estão a ser colocadas na nossa economia. Eles (os sauditas) estão a gastar 110 mil milhões de dólares (95 mil milhões de euros) em equipamento militar”, disse Trump, referindo-se à proposta de venda de armas anunciada em maio de 2017, quando visitou a Arábia Saudita, na sua primeira visita ao estrangeiro enquanto presidente.

O Presidente norte-americano reforçou o seu argumento, adiantando que os sauditas poderiam comprar as armas aos russos ou chineses, se tivessem problemas para comprar aos EUA.

Trump manteve que o país está a ser “muito duro” no caso de Jamal Khashoggi, exilado nos EUA, que se suspeita ter sido assassinado. O jornalista, um crítico do regime de Riade e colaborador The Washington Post, está desaparecido desde 02 de outubro.

Neste dia entrou no consulado saudita em Istambul, na Turquia, para tratar de documentação para se casar, com a sua namorada à espera no exterior, e nunca mais foi visto.

Dirigentes turcos afirmaram que receiam que os sauditas tenham morto e desmembrado Khashoggi, mas só ofereceram como prova uma gravação vídeo da entrada do jornalista na instalação diplomática e a chegada à Turquia do que descreveram como um grupo de 15 sauditas para alegadamente o atacarem.

A Arábia Saudita negou as acusações, considerando-as “sem fundamento”.

Em Istambul, a imprensa turca assegurou que aquele grupo de 15 sauditas incluía guardas, agentes dos serviços de informações, soldados e um perito em autópsias.

A revelação destes detalhes, juntamente com comentários do presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, parece destinada a pressionar a Arábia Saudita a revelar o que aconteceu, se bem que também considerando a necessidade de manter investimentos sauditas na Turquia e salvaguardar as relações bilaterais.

Questionado na Casa Branca, Trump respondeu aos jornalistas que “se a situação (de Jamal Khashoggi) se revelar tão má quanto pode ser, de certeza que existem outras formas de lidar com a situação” além de cancelar a venda de armas, mas não precisou.

Antes, dissera no programa televisivo ‘Fox & Friends’, que os EUA “tinham lá investigadores e estavam a trabalhar com a Turquia” e a Arábia Saudita no caso, mas também não deu qualquer prova, nem desenvolveu.

Entretanto, há uma clara e crescente separação entre muitos congressistas, que querem uma ação mais vigorosa, e Trump.

Mesmo antes do desaparecimento de Khashoggi, os congressistas têm criticado o governo saudita. Alguns não acreditam nos seus desmentidos de práticas condenáveis e contestam que não haja vídeos do consulado que mostrem Khashoggi, que no último ano tem vivido em autoexílio no estado da Virgínia.

“Há uma sensação de que têm direito a tudo. Odeio usar a palavra arrogância, que me vem quando se lida com eles (sauditas)”, afirmou o senador republicano Bob Corker, que preside à comissão senatorial dos Negócios Estrangeiros.

“Parte disto pode ser porque têm uma relação incrivelmente próxima com o Governo” de Trump, admitiu.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)