Serra da Estrela

Associação investe na reposição de ovelhas após incêndios para salvar queijo DOP Serra da Estrela

A Associação Nacional de Criadores de Ovinos Serra da Estrela (ANCOSE) reforçou os rebanhos dos associados com 400 ovelhas e prevê duplicar essa reposição de efetivos até 2019.

MIGUEL PEREIRA DA SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Associação Nacional de Criadores de Ovinos Serra da Estrela (ANCOSE) reforçou os rebanhos dos associados com 400 ovelhas e prevê duplicar essa reposição de efetivos até 2019.

“Vamos reconstituir um pouco do que havia” antes do fogo de 15 e 16 de outubro de 2017, disse à agência Lusa o presidente da ANCOSE, Manuel Marques.

Admitindo estar “um bocadinho mais otimista” do que nos meses que se seguiram à tragédia que dizimou milhares de animais das raças autóctones, com cujo leite se produz o queijo com denominação de origem protegida (DOP) Serra da Estrela, adiantou que “houve uma quebra de 20 a 30% na produção”.

No entanto, “a qualidade do queijo DOP não foi muito prejudicada”, apesar da escassez de pastos naturais associada à devastação causada pelo fogo em vários municípios da região demarcada, tanto nos campos de cultivo como nos espaços florestais.

Em muitos casos, os pastores tiveram de recorrer a palha e rações para alimentar as ovelhas das raças “churra mondegueira” e “bordaleira Serra da Estrela” enquanto as pastagens não se recompunham.

Até agora, a ANCOSE “já distribuiu cerca de 400 borregas desmamadas” para futura reprodução pelos associados que perderam efetivos no incêndio ou que pretendam aumentar os seus rebanhos.

“E vamos repor mais 400 entre 2018 e 2019”, adiantou o jurista Manuel Marques, explicando que a este esforço da associação, com sede em Oliveira do Hospital, distrito de Coimbra, juntam-se idênticas iniciativas de outras entidades e dos próprios criadores.

O presidente da ANCOSE revelou que, para surpresa dos pastores, “verificou-se um aumento da produção de leite” na última primavera, novidade que pode ter resultado da pluviosidade prolongada e do consequente renascimento dos pastos nas zonas ardidas, designadamente nos meses de abril, maio e junho.

Apesar de a produção deste ano do queijo DOP Serra da Estrela ter sido afetada pelos incêndios, este ano em geral “foi cumprida a resposta” às cadeias de distribuição que comercializam este bem alimentar de qualidade reconhecida em Portugal e no estrangeiro.

Manuel Marques entende, no entanto, que o Estado tem de “tomar medidas que incentivem” a criação de raças ovinas da Serra da Estrela, a fim de evitar o seu desaparecimento.

Nesta matéria, “os governos têm sido amorfos”, já que as ovelhas regionais podem em média produzir dois litros de leite por dia, muito aquém da capacidade das raças exóticas, que chega a duplicar.

“Empobrecer alegremente já lá vai”, alertou o presidente da ANCOSE, ao esclarecer que as exóticas asseguram aos pastores maiores produções, “mas a qualidade do leite não é a mesma”.

Na sua opinião, “o Governo tem de deitar mãos à obra, tem de tomar posições rápidas” para que este produto genuíno não se extinga.

Perante a baixa de produção do queijo DOP Serra da Estrela, geralmente ligada à pecuária familiar, não se verificou, desde 15 de outubro de 2017, “um aumento exponencial” do número de projetos industriais concorrentes, referiu Manuel Marques.

O incêndio que eclodiu há um ano no concelho da Lousã, distrito de Coimbra, e alastrou a outros municípios da região Centro, dizimou milhares de animais domésticos e selvagens, incluindo ovelhas e cabras, destruiu explorações agrícolas e florestais, indústrias, habitações e infraestruturas públicas.

Cinquenta pessoas morreram e 70 ficaram feridas na sequência dos incêndios de 15 e 16 de outubro, que também destruíram total ou parcialmente cerca de 1.500 casas e mais de 500 empresas.

Das 50 vítimas mortais, 25 ocorreram no distrito de Coimbra (13 das quais no concelho de Oliveira do Hospital e as restantes 12 nos municípios de Arganil, Pampilhosa da Serra, Penacova e Tábua) e 17 em Viseu (Carregal do Sal, Mortágua, Nelas, Oliveira de Frades, Santa Comba Dão e Tondela).

Os restantes óbitos foram registados na autoestrada que liga Aveiro a Vilar Formoso (A25), nas zonas de Sever do Vouga (Aveiro) e de Pinhel (Guarda), e no concelho de Seia (Guarda).

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)