Mais de 100 corpos foram descobertos numa vala comum perto de Sirte, antigo bastião do grupo extremista Estado Islâmico na Líbia recuperado pelas forças governamentais no final de 2016, indica um novo balanço divulgado este domingo.

Na quarta-feira, o conselho municipal de Sirte, cidade costeira situada a 450 quilómetros de Tripoli, anunciou ter sido encontrada uma vala comum com 75 corpos na localidade de al-Daheir.

Aparentemente, esta vala teria sido usada pelos jihadistas para enterrar os seus combatentes durante a ocupação da cidade. No total, “foram descobertos 110 cadáveres na vala comum”, disse à agência France Presse Mohamad al-Amial, porta-voz do conselho municipal.

“Pertences, incluindo telemóveis, foram encontrados ao lado dos corpos”, adiantou al-Amial. Para identificar os mortos “o gabinete do procurador disse ser necessário tempo e amostras de ADN”, indicou.

Dilacerada pelas lutas pelo poder e pela insegurança crónica, a Líbia tornou-se um refúgio para os jihadistas após a queda do regime de Muammar Kadhafi em outubro de 2011.

Duas autoridades disputam o controlo do país: o governo de união nacional instalado em Tripoli, reconhecido pela comunidade internacional, e o marechal Khalifa Haftar, que criou o autoproclamado exército nacional líbio e controla o leste do país.