A Arquidiocese Católica de Washington divulgou esta segunda-feira, 15 de outubro, uma lista de 28 padres que foram alvo de credíveis acusações de abuso sexual desde 1948. Segundo o The Washington Post, os representantes religiosos enviaram uma carta ao clero onde dizem que esta divulgação é “um passo necessário em direção à transparência total, responsabilização e processo de cura”.

Nessa carta, onde está incluída a tal lista de nomes, lê-se que “não existem casos de abuso sexual de menores na arquidiocese há duas décadas”, mas não é referida a altura em que surgiram as acusações mais recentes, quantas vítimas existem no total e se os casos reportados foram apresentados às autoridades.

A revelação surge num clima tumultuoso para esta parte da Igreja Católica norte-americana que aparentava ter escapado à crise dos abusos sexuais. Em junho, o arcebispo anterior — o cardeal Theodore McCarrick — foi suspenso quando surgiram alegações de que terá abusado de crianças e adultos e mais tarde acabou por se demitir.

Há quatro dias, o cardeal Donald Wuerl, um dos grande aliados do Papa Francisco, anunciou a sua reforma, depois de ter estado vários meses debaixo de fogo por ter tratado de forma deficiente alegações de abuso que ocorreram na diocese de Pittsburgh — casos que continuam sem ser devidamente esclarecidos.