Eventos

Líderes portuguesas e nova geração de mulheres moçambicanas partilham vidas de impacto

“Liderança Transformadora – Mulheres com Impacto” é o mote para o encontro que a Girl MOVE Academy vai promover na Universidade Católica Portuguesa, em Lisboa, no próximo dia 17, quarta-feira.

Grupo de "girl movers" que tem formação de um ano na Academia de Liderança e Empreendedorismo Social.

“Liderança Transformadora – Mulheres com Impacto”: é este o mote para o encontro que a Girl MOVE Academy vai promover para reunir líderes portuguesas e uma nova geração de mulheres moçambicanas numa conversa para a partilha de vidas de impacto.

A iniciativa conta com nomes importantes de mulheres portuguesas que se destacam nas várias áreas de negócio e de intervenção académica, que vão estar à conversa com futuras líderes moçambicanas. Estas são jovens que estão a estagiar em Portugal e que acreditam que podem mudar o mundo.

O encontro realiza-se no próximo dia 17 de outubro, quarta-feira, pelas 17 horas, na Universidade Católica Portuguesa, em Lisboa. A jornalista Laurinda Alves é quem o vai moderar.

O Auditório Cardeal Medeiros vai juntar no mesmo espaço Isabel Capeloa Gil, Reitora da Universidade Católica Portuguesa, Rita Nabeiro, Directora-Geral da Adega Mayor (Grupo Nabeiro), Filipa Caldeira, CEO da FullSix, e Margarida Couto, da VdA, as quais vão estar à conversa com o grupo de 31 jovens moçambicanas, que se estão a realizar estágios de Vida em grandes empresas portuguesas.

A iniciativa pretende promover a troca de experiências entre mulheres que atingiram o topo de carreira e se destacam hoje como influentes na sociedade portuguesa e estas jovens moçambicanas que apostam tudo numa formação de topo para poderem ser as futuras líderes do seu país.

Estatísticas

Em Moçambique apenas 1% das mulheres frequenta o ensino superior, 48,2% das adolescentes casam-se antes de completarem 18 anos e 70% das raparigas serão mães solteiras em alguma altura das suas vidas. A Girl MOVE Academy aposta na mudança para combater a pobreza e a falta de acesso à educação através de uma lógica de liderança pelo serviço, pretendendo quebrar o ciclo que perpetua a ausência da mulher na escola, nas empresas e nos lugares de decisão.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)