Rádio Observador

Índia

Demite-se ministro indiano acusado de assédio sexual

Um ministro do governo indiano apresentou e divulgou a sua demissão do cargo, após ter sido acusado de assédio sexual por 20 mulheres.

STR/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Um ministro do governo indiano, acusado de assédio sexual por 20 mulheres, apresentou esta quarta-feira a sua demissão do cargo, divulgou o próprio.

“Considero ser apropriado abandonar as minhas responsabilidades e combater as falsas acusações contra mim”, anunciou M.J. Akbar, um jornalista veterano que se tornou em 2016 um ministro de segunda linha do Ministério dos Negócios Estrangeiros (ministro de Estado para as Relações Exteriores) do governo liderado pelo primeiro-ministro indiano, Narendra Modi.

Através de testemunhos divulgados nas redes sociais ou na imprensa, várias mulheres acusaram, na semana passada, M.J. Akbar, de 67 anos, de má conduta sexual quando este ocupava cargos de responsabilidade no setor da comunicação social.

Em reação às denúncias, M.J. Akbar anunciou no último fim de semana que ia avançar com um processo de difamação contra a mulher que lançou as primeiras acusações, a jornalista Priya Ramani.

Vários membros da indústria cinematográfica indiana, conhecida a nível internacional como Bollywood, e do setor dos média indianos têm sido acusados publicamente nos últimos dias de comportamentos inadequados em relação às mulheres.

A vaga de denúncias, associada ao movimento #Me Too (contra o assédio e o abuso sexual de mulheres), iniciado há mais de um ano nos Estados Unidos, tem abrangido diretores, comediantes ou jornalistas.

As denúncias estão a ter repercussões na sociedade indiana, fortemente patriarcal, e desencadearam várias demissões e investigações internas na Índia desde o início do mês de outubro.

Priya Ramani foi a primeira mulher a denunciar publicamente M.J. Akbar.

Numa mensagem publicada na rede social Twitter, a jornalista revelou que M.J. Akbar era o editor-chefe que ela tinha descrito num artigo publicado no ano passado, que relatava uma entrevista de trabalho que tinha decorrido num quarto de um hotel em Mumbai e a conduta inadequada do responsável durante a ocasião.

Quando publicou o artigo, Priya Ramani não revelou a identidade do responsável mencionado no texto.

Depois de Priya Ramani, várias outras jornalistas utilizaram também o Twitter para denunciar experiências similares com M.J. Akbar, que antes de ingressar na política ocupou altos cargos em títulos de prestígio como The Telegraph, Asian Age e The Sunday Guardian.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)