António Costa

Costa: novo regime das reformas antecipadas já foi “bem explicado” por Vieira da Silva

António Costa, não quis comentar o novo regime das reformas antecipadas, sustentando que aquele já foi "bem explicado" pelo ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

ARIS OIKONOMOU / POOL/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O primeiro-ministro, António Costa, não quis esta quinta-feira comentar o novo regime das reformas antecipadas, sustentando que aquele já foi “bem explicado” pelo ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

“Eu acho que já foi bem explicado ontem [quarta-feira] pelo senhor ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social. Não acrescentaria nada mais a partir de Bruxelas”, disse o primeiro-ministro, no final do Conselho Europeu. António Costa disse ainda não querer deslocar para Bruxelas um debate que “está bem situado em Lisboa”.

Na quarta-feira à tarde, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social explicou que o acesso à reforma antecipada só será possível no próximo ano a quem tem 40 anos de carreira contributiva aos 60 anos de idade. O BE alertou, horas depois, que o limite no acesso às reformas antecipadas anunciado por Vieira da Silva não foi acordado com o partido e não consta da proposta de Orçamento do Estado para 2019.

A medida anunciada pelo ministro, a avançar, não permitirá o acesso à reforma antecipada a quem, por exemplo, tem 62 anos e 40 de descontos (por não ter completado os 40 anos de descontos aos 60 de idade) ao contrário da regra atual. O PS demonstrou hoje abertura para clarificar os objetivos do normativo referente à reforma antecipada aos 60 anos de idade e 40 anos de descontos, depois de PCP e Bloco se terem declarado “surpreendidos e de PSD e CDS terem criticado duramente a medida.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Quem quer casar com um governante?

Luís Reis

Se Soares foi Presidente-Rei, Costa revelou-se Primeiro-Ministro-Rei chamando o seu reduto doméstico a participar no governo dos súbditos, um nepotismo rosa instalado e a preparar a sucessão dinástica

China

Vamos mesmo ignorar isto? /premium

Sebastião Bugalho

A Europa assumiu pela primeira vez que o expansionismo da China representa uma ameaça para o continente e os jornais portugueses, que tão competentemente cobriram a visita de Xi, não fazem perguntas?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)