Rádio Observador

Orçamento do Estado

Deco considera que Orçamento defrauda expectativas quanto à redução do IVA na energia

A Deco considera que a proposta de Orçamento do Estado para 2019 defrauda as expectativas dos consumidores e é injusta no que se refere à redução do IVA na fatura de energia das famílias portuguesas.

ANTONIO COTRIM/LUSA

A Deco considera que a proposta de Orçamento do Estado para 2019 defrauda as expectativas dos consumidores e é injusta e redutora no que se refere à redução do IVA na fatura de energia das famílias portuguesas.

Esta proposta “defrauda as expectativas dos consumidores e fica aquém daquilo que nos parece ser o caminho certo e justo”, disse à Lusa Rita Rodrigues, da Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco), sublinhando que a organização continua a defender a reposição do IVA a 6%, “à semelhança do que existia à data da entrada da troika”, não apenas para a eletricidade, mas também para o gás.

“O que veio a ser proposto, além de redutor, tem um impacto de 80 cêntimos apenas para as famílias que tenham a potência contratada de 3,45kW [menos de 40% dos agregados]”, afirmou.

Para a Deco, esta proposta tem um impacto muito residual e está “muito aquém do que seria justo, correto e equilibrado”, afirma Rita Rodrigues, que recorda que o Governo não está a ter em conta nem a abarcar a população que tem vindo a ser mais penalizada com a política fiscal.

A associação insiste que a proposta que tinha apresentado, e continua a defender, aplica esta redução em toda a fatura da eletricidade, e não só no termo fixo, e abrange também o gás.

“Além da potência contratada já não ser representativa (para abranger 90% dos agregados familiares teria de ir até ao nível 6,9kW), esta redução esquece quer o gás de botija quer o gás natural, que é também uma fonte de energia muito importante para as famílias portuguesas”, afirmou.

Segundo a Deco, dos 17.000 contactos recebidos no gabinete do sobreendividado, 5% é de famílias que têm “enorme dificuldade em renegociar dívidas de eletricidade e gás, isto nas famílias da classe média que não conseguem suportar contas de energia”.

A defesa do consumidor sublinha igualmente que os dados que tem indicam que cerca de 43% da população portuguesa não consegue ter a sua casa adequadamente aquecida, cerca de 6% das famílias não conseguem pagar as faturas de energia e que, no caso dos solteiros com crianças a carga, esta percentagem duplica.

“É algo preocupante. Isto é um serviço essencial e não é nenhum luxo. Acreditamos que é possível mudar a proposta, que é claramente redutora. Muitas vezes a discussão na especialidade [na Assembleia da República] permite afinar e perceber a real aplicação das medidas”, afirmou.

A responsável da Deco diz ainda que “só pode haver abertura” para melhorar a proposta, pois “Portugal não se pode contentar com uma medida que não responde à maioria das famílias portuguesas e tem um impacto tão irrisório naquilo que é a fatura de energia dos portugueses”.

A campanha que a Deco tinha lançado a defender a redução de 23% para 6% do IVA na fatura total de energia (eletricidade e gás) recolheu até ao momento 52.807 assinaturas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

António Costa

O favor que Costa fez à direita /premium

Sebastião Bugalho

Nestes quatro anos, Costa normalizou tudo aquilo que a direita se esforçou por conquistar, o que levanta uma questão simples: o que poderá dizer o PS contra um futuro governo do centro-direita?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)