Os preços na produção industrial aumentaram 4,7% em setembro face ao mesmo mês de 2017, impulsionados sobretudo pelo agrupamento de energia, mas mantiveram-se estáveis face ao crescimento homólogo de agosto, divulgou esta quinta-feira o Instituto Nacional de Estatística.

“Os agrupamentos de energia e de bens intermédios contribuíram, respetivamente, com 3,2 pontos percentuais e 1,5 pontos percentuais para a variação do índice total”, refere o Instituto Nacional de Estatística (INE) em comunicado. Já o contributo dos bens de consumo e de investimento “voltou a ser nulo”. Excluindo o agrupamento de energia, o Índice de Preços na Produção Industrial (IPPI) aumentou 1,9% em setembro, em linha com a evolução do mês anterior.

A secção das indústrias transformadoras registou um aumento homólogo de 4,4% pelo terceiro mês consecutivo, do qual resultou um contributo de 3,9 pontos percentuais para a variação do índice total, acrescenta o INE. Em termos mensais, o IPPI registou uma variação de 0,3% em setembro, igual à registada no mês precedente.

O principal contributo para a variação mensal do índice total foi dado pelo agrupamento de energia (0,2 pontos percentuais), originado pela taxa de variação de 1,0% (1,1% em setembro do ano anterior). A secção das indústrias transformadoras apresentou uma variação mensal de 0,3% em setembro (taxa idêntica no período homólogo) e contribuiu com 0,2 pontos percentuais para a variação do índice total.

No terceiro trimestre, os preços na produção industrial aumentaram 4,6% em termos homólogos, quando no segundo trimestre o crescimento foi de 2,9% e no primeiro trimestre de 1,3%.