Timor-Leste

Timor apela a população de Ermera para não travar reabilitação de estrada

102

O primeiro-ministro timorense insiste que o projeto da estrada local é essencial para o desenvolvimento local.

ANTONIO DASIPARU/EPA

O primeiro-ministro timorense apelou esta quinta-feira à população da região de Ermera para que não impeça o processo de reabilitação de uma estrada local, insistindo que o projeto é essencial para o desenvolvimento local.

Os comentários de Taur Matan Ruak foram feitos aos jornalistas depois da reunião semanal que manteve com o Presidente da República, Francisco Guterres Lu-Olo, esta quinta-feira no Palácio Presidencial em Díli. O chefe do Governo recordou que projetos de infraestruturas, como estradas e rede elétrica, são essenciais para as populações.

As declarações de Matan Ruak surgem depois de a Fretilin, na oposição em Timor-Leste, ter criticado tentativas de um grupo travar o processo, já bastante atrasado, de reabilitação de uma estrada em Ermera, a sul de Díli, considerando a obra crucial para as populações da zona.

“A estrada de Ermera a Fatubessi é muito importante para as comunidades dessas áreas, e ajudará no desenvolvimento económico da população de Ermera, abrindo acesso ao transporte, aos mercados, e às atividades comunitárias”, afirmou o deputado António dos Santos.

“Não podemos continuar com a estrada sem condições. Não admito a quem seja que impeça um projeto importante como este”, referiu o deputado da Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin).

Em comunicado, a Fretilin denunciou que “técnicos de construção apresentaram queixas relacionadas com agressões físicas por algumas pessoas em Ermera com o objetivo de impedirem o trabalho” na obra.

Os comentários surgem depois de a televisão publica timorense, a RTTL, ter noticiado que um grupo que se identifica como “veteranos e juventude” do município de Ermera questionou a obra, financiada pela União Europeia e executada pelo Banco Asiático do Desenvolvimento (ADB, na sua sigla em inglês).

Em causa está o projeto, no valor de 20,5 milhões de euros, que inclui a reabilitação de duas estradas – a C16/17-P1 entre Aipelo e Bazartete e a C13 entre Ermera e Fatubesse – a sudeste da capital -, essenciais para o desenvolvimento da região.

O lançamento da primeira pedra da obra foi feito na semana passada numa cerimónia em que participaram, entre outros, o ministro das Obras Públicas, Salvador Pires, o diretor do ADB em Timor-Leste, Paolo Spantigati, e o embaixador da UE em Díli, Alexandre Leitão.

Joaquim Menezes, porta-voz do grupo de Ermera, critica a forma como o projeto está a ser implementado pela empresa internacional que está a executar a obra, sem apresentar motivos concretos para as críticas.

Afirmam ainda, segundo a RTTL, que o grupo “não quer impedir o desenvolvimento”, mas que “projetos a implementar no município devem ser coordenados com a comunidade”.

António dos Santos contesta a posição do grupo, apelando à comunidade local para que se una em torno de projetos como este, destinados ao desenvolvimento regional, rejeitando atos que “tentem impedir as atividades de desenvolvimento”.

“Eu sou veterano da Região IV e não reconheço estas pessoas. Os veteranos encontram-se unidos no apoio ao desenvolvimento, para retirar o povo da pobreza e miséria, e não vamos impedir o desenvolvimento,” disse.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)