O Tribunal Constitucional são-tomense anuncia esta sexta-feira os resultados definitivos das eleições de 07 de outubro, divulgaram os mandatários da oposição na Assembleia Geral de Apuramento, garantindo que a recontagem não alterou a vitória que reclamam nas legislativas.

“Ficou acordado que amanhã (sexta-feira) as 11:30 horas (mesma hora em Lisboa) voltamos todos ao tribunal para analisar e assinar [as atas] e às 12:00 horas o presidente vai chamar a comunicação social para proclamar os resultados finais destas eleições”, disse Delfim Neves, mandatário dos três partidos da coligação de partidos UDD-PCD-MDFM.

“Acabamos agora, não houve tempo para produzir e digitalizar todos os elementos”, explicou Delfim Neves, à saída, esta noite, da sede do Tribunal Constitucional, onde se iniciou na segunda-feira a reavaliação dos votos nulos e brancos das eleições de 07 de outubro.

Segundo o responsável, foram analisados todos os votos nulos e “contrariamente ao que pensavam que todos esses votos nulos pertenciam a uma determinada candidatura, isso não aconteceu, não se alterou nada”.

“Apenas três foram validados para o MLSTP-PSD e outros três para o ADI, a nível nacional”, disse.

“Nós hoje podemos assegurar que a oposição ganhou estas eleições, pese embora o Ação Democrática Independente (ADI) tenha sido o partido mais votado, mas não tem sustentabilidade parlamentar para governar”, sublinhou.

A ADI, partido no poder e vencedor das legislativas de São Tomé e Príncipe, pediu ao Tribunal Constitucional “a verificação” dos “mais de 2.000” votos nulos e brancos, que poderiam garantir ao partido a maioria absoluta.

Segundo os resultados provisórios divulgados a 08 de outubro pela Comissão Eleitoral Nacional (CEN), a ADI venceu as eleições legislativas, alcançando 25 lugares na Assembleia Nacional (55 deputados), com 32.805 votos.

O Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe – Partido Social Democrata (MLSTP-PSD) teve 31.634 votos (23 deputados), enquanto a coligação UDD-PCD-MDFM´recebeu 7.451 votos, conquistando cinco mandatos. Já o Movimento de Cidadãos Independentes de São Tomé e Príncipe conseguiu eleger dois deputados, com 1.659 votos.

De acordo com os dados da CEN, registaram-se 2.351 votos nulos e 885 votos brancos, além de 125 reclamações.

Com este resultado, a ADI ganhou com maioria relativa e está a procurar um entendimento com os deputados independentes, o que garantiria 27 mandatos parlamentares, um a menos que os lugares reunidos pelo MLSTP e a coligação, que reclamaram vitória com maioria absoluta nestas eleições.

Esta noite, Elsa Pinto, mandatária do MLSTP-PSD, reclamou que se “abre uma nova página para São Tomé e Príncipe”: “A página da alternância do poder e hoje somos alternativa para este país”, disse.

Várias centenas de populares manifestaram-se hoje pacificamente diante do Tribunal Constitucional, animados por grupos culturais e cantando hino nacional do país, gritando “acabou a ditadura”, “viva a democracia”.