Pintura

Leonardo Da Vinci podia ser estrábico, afirma estudo

184

Leonardo Da Vinci podia ser estrábico. A conclusão foi retirada depois da análise de seis quadros do artista, medindo a posição ocular das obras. O estudo foi publicado no jornal JAMA Ophthalmology.

Camilla, Duquesa de Cornwall, observa a pintura Mona Lisa, de Leonardo Da Vinci, no Museu do Louvre (Foto de Chris Radburn-Pool/Getty Images)

Getty Images

Leonardo Da Vinci podia ser estrábico. A conclusão é de um estudo de Christopher Tyler, especialista em neuro-ciência visual e professor na Universidade City de Londres e no Smith-Kettlewell Eye Research Institute em São Francisco, publicado esta quinta-feira no JAMA Ophthalmology, um jornal especialista na área da medicina.

Através da análise pormenorizada de seis retratos e autorretratos pintados pelo renascentista (duas esculturas, duas pinturas a óleo e dois desenhos), tendo em conta a posição dos olhos de cada pintura e medindo as suas posições, o neurocientista britânico chegou à conclusão de que o artista italiano sofreria de estrabismo divergente. O desvio, segundo Tyler, seria no olho esquerdo e teria um ângulo de -10,3º.  Os quadros onde é mais evidente esse desvio são o de São João Batista (pintado em 1508-1513) e o de Salvador Mundi, que há pouco tempo se tornou a obra mais cara da história.

A doença, que afeta apenas 1% da população mundial, associa-se geralmente a uma boa visão estereoscópica quando os olhos estão alinhados, mas é perdida quando o olho se desvia. As pessoas que sofrem deste distúrbio caracterizam-se pela incapacidade parcial ou total de manter o alinhamento do olho no objeto – alvo de fixação –  e, consequentemente, possuem uma visão monocular bidimensional.  Esse facto poderia fazê-lo desenvolver uma forte compreensão dos objetos tridimensionais, facilitando a representação de profundidade nas superfícies planas. Podia também influenciar o sombreamento preciso pelo qual o artista é conhecido.

De acordo com as conclusões publicadas, ”o peso da evidência leva a sugerir que Da Vinci tinha exotropia intermitente, resultando na capacidade de mudar a visão ocular, o que talvez explicaria a sua grande facilidade em descrever a solidez tridimensional de faces e objetos no mundo e a profundidade distante”.

Contudo, para muitos cientistas é precipitado tirar conclusões. Michael F. Marmor, professor de oftalmologia e biologia humana na Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, afirma que ”este tipo de diagnóstico retrospetivo é arriscado”, conta ao jornal El País.  ”Primeiro é duvidoso que estas obras representem Da Vinci. A relação entre estes trabalhos é muito circunstancial e duvidosa e todas as caras parecem diferentes”, acrescenta.

O professor descarta também a hipótese do estrabismo fornecer características especiais a Da Vinci. ”Nós que temos uma visão normal não temos problemas em ver as imagens em duas dimensões e os artistas com uma boa perceção da profundidade tão pouco as têm para pintar. Os artistas estrábicos que se conhecem, como Durero, Barbieri, Il Guercino, pintaram obras maravilhosas com uma perspetiva fina”, explica ao mesmo jornal.

À CNN, Julius Oatts, professor assistente no Departamento de Oftalmologia da Universidade da Califórnia, considera que ”há inúmeras incertezas se as imagens realmente descrevem o próprio Da Vinci ou se elas [as imagens] retratam os olhos de uma forma realista”, aludindo à teoria de Tyler de que apesar de nem todos os trabalhos do pintor italiano serem autorretratos, todos refletem a aparência do pintor.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
História

Integralismo, Modernismo: urgência de um desagravo

António de Souza-Cardoso
136

O Integralismo Lusitano foi a reacção possível de uma elite política de referência às misérias de uma república trauliteira exaurida de ideias, de sentido cívico ou de responsabilidade ética e social

Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)